terça-feira, 29 de novembro de 2016

Depósito de gelo marciano contém tanta água como o Lago Superior

Congelada debaixo de uma região de planícies rachados e sem caroço em Marte fica a cerca de tanta água como o que está em Lago Superior, o maior dos Grandes Lagos, os pesquisadores usam Mars Reconnaissance Orbiter da NASA determinaram.

Os cientistas examinaram parte da região Utopia Planitia de Marte, nas latitudes médias Norte, com (Sharad) de instrumentos do veículo orbital Radar de penetração no solo raso. As análises dos dados de mais de 600 sobrecarga passa com o radar a bordo revelar um depósito mais extensa em área do que o estado do Novo México. O depósito varia em espessura de cerca de 260 pés (80 metros) a cerca de 560 pés (170 metros), com uma composição que é 50 a 85 por cento de gelo de água, misturado com poeira ou partículas rochosas maiores.

Na latitude desse depósito - cerca de metade do equador ao pólo - gelo de água podem não persistir na superfície de Marte hoje. Sublima em vapor de água na atmosfera fino, seco do planeta. O depósito Utopia é protegido da atmosfera por uma cobertura de solo estimada em cerca de 3 a 33 pés (1 a 10 metros) de espessura.

"Este depósito provavelmente formado como queda de neve acumulando em uma camada de gelo misturado com poeira durante um período da história de Marte, quando o eixo do planeta era mais inclinado do que é hoje", disse Cassie Stuurman do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas, Austin. Ela é o principal autor de um estudo publicado na revista Geophysical Research Letters .

Marte hoje, com uma inclinação axial de 25 graus, acumula grandes quantidades de gelo de água nos pólos. Em ciclos com duração de cerca de 120.000 anos, a inclinação varia de quase duas vezes que muito, o aquecimento dos pólos e dirigir gelo para latitudes médias. modelagem climática e descobertas anteriores de enterrado, mid-latitude de gelo indicam que a água congelada acumula longe dos pólos durante os períodos de alta inclinação.


Água marciana como um recurso futuroO nome Utopia Planitia traduz livremente como "planícies do paraíso." O depósito de gelo recém-pesquisada abrange latitudes de 39 a 49 graus dentro das planícies. Ele representa menos de um por cento de toda a água gelada conhecido em Marte, mas é mais do que duplica o volume de, folhas de gelo enterrado grossas conhecidos nas planícies do norte. Depósitos de gelo próximo à superfície estão sendo consideradas como um recurso para os astronautas.

"Este depósito é provavelmente mais acessível do que a maioria gelo de água em Marte, porque é a uma latitude relativamente baixo e que se situa em uma área plana, lisa, onde o desembarque de uma nave espacial seria mais fácil do que em algumas das outras áreas com gelo enterrado" disse Jack Holt, da Universidade do Texas, um co-autor do papel Utopia que é um co-investigador Sharad e tem usado anteriormente radar para estudar o gelo marciano nas geleiras enterradas e nas calotas polares.

A água utópica está tudo congelado agora. Se houvesse uma camada derretida - o que seria importante para a possibilidade de vida em Marte - teria sido evidente nas varreduras de radar. No entanto, alguns de fusão não pode ser descartada durante as diferentes condições climáticas ao eixo do planeta era mais inclinado. "Onde o gelo de água tem sido em torno de um longo tempo, nós apenas não sei se poderia ter havido água líquida suficiente em algum ponto à manutenção da vida microbiana", disse Holt.

Utopia Planitia é uma bacia com um diâmetro de cerca de 2.050 milhas (3.300 quilômetros), resultante de um grande impacto no início da história de Marte e, posteriormente preenchido. NASA enviou o Viking Lander 2 a um local perto do centro de Utopia em 1976. A parcela examinado por Stuurman e seus colegas se encontra ao sudoeste de que lander longo silêncio.



Utilização do instrumento de Sharad Italiano-construído para examinar parte de Utopia Planitia foi motivada por Gordon Osinski na Western University em Ontário, Canadá, um co-autor do estudo. Por muitos anos, ele e outros pesquisadores foram intrigado com padrões de solo de superfície lá, tais como rachaduras e sem aro poços poligonais chamados depressões recortadas - "como se alguém tomou uma colher de sorvete no chão", disse Stuurman, que começou este enquanto projecto um estudante na ocidental.

Pista do Canadá

no Ártico canadense, landforms semelhantes são indicativos de gelo no solo, Osinski observou, "mas havia uma questão pendente sobre se qualquer gelo ainda estava presente na marciana Utopia ou se tinha sido perdido durante os milhões de anos desde a formação desses polígonos e depressões ".

O grande volume de gelo detectado com Sharad avança a compreensão sobre a história de Marte e identifica um possível recurso para uso futuro.

"É importante para expandir o que sabemos sobre a distribuição e quantidade de água de Marte", disse Mars Reconnaissance Orbiter Adjunto Projeto Cientista Leslie Tamppari, do Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena, Califórnia. "Sabemos que o antigo Marte teve água líquida suficiente na superfície de rios e lagos. Para onde ele foi? Muito do que deixou o planeta a partir do topo da atmosfera. Outras missões têm vindo a analisar esse processo. Mas há também uma grande quantidade que é agora o gelo subterrâneo, e queremos continuar a aprender mais sobre isso. "

Joe Levy, da Universidade do Texas, um co-autor do novo estudo, disse: "Os depósitos de gelo em Utopia Planitia não são apenas um recurso exploração, eles também são um dos registros de mudanças climáticas mais acessíveis em Marte. Nós não entendemos completamente por que o gelo se acumulou em algumas áreas da superfície marciana e não em outros. Amostragem e utilizar este gelo com uma missão futuro poderia ajudar a manter os astronautas vivos, ao mesmo tempo, ajudá-los a desvendar os segredos de idades do gelo de Marte. "

União Astronômica Internacional aprova formalmente 227 nomes de estrelas


A criação de um Grupo de Trabalho especializado IAU, o Grupo de Trabalho sobre nomes de estrelas (WGSN), foi aprovada pelo Comité Executivo da IAU maio 2016 para formalizar nomes de estrelas que têm sido usados ​​coloquialmente por séculos. WGSN estabeleceu agora um novo catálogo de nomes de estrelas IAU, com o primeiro conjunto de 227 nomes aprovados publicados no site da IAU.



Composto por um grupo internacional de astrônomos, o Grupo de Trabalho sobre nomes de estrelas (WGSN ) é uma iniciativa que partiu da IAU Divisão C (Educação, Outreach, and Heritage). No âmbito da Divisão, a WGSN é esperado primeiro a mergulhar na história astronômica em todo o mundo e da cultura, com o objetivo de catalogar nomes de estrelas tradicionais, e aprovar nomes de estrelas únicas com grafias padronizados. No futuro, prevê-se que o grupo vai virar seu foco para a definição das regras, critérios e processo pelo qual novos nomes para as estrelas e significativas objeto subestelar podem ser propostos por membros da comunidade astronômica internacional, incluindo os astrônomos profissionais e público em geral .

Por muitos anos, a prática padrão para os astrônomos tem sido a de nomear as estrelas que estudam usando uma designação alfanumérica . Estas designações são práticos, desde catálogos de estrelas, como o recém-lançado de Gaia satélite da ESA , normalmente contêm milhares, milhões ou até bilhões de objetos. Estas designações alfanuméricos continuará a ser utilizado e não será alterada pela WGSN.Em vez disso, o grupo pretende decidir quais nomes de estrelas tradicionais de culturas ao redor do mundo são os oficiais, a fim de evitar confusão. Alguns dos nomes mais comuns para as estrelas mais brilhantes e mais famosos no céu não tinha ortografia oficial, algumas estrelas teve vários nomes, e nomes idênticos foram usados às vezes para completamente diferentes estrelas completamente.

Historicamente, a IAU tem sempre apenas aprovou os nomes de 14 estrelas, em conexão com a nomeação de exoplanetas . Havia dois catalisadores para a criação da WGSN: o compromisso pela IAU para envolver a comunidade astronômica internacional em nomear exoplanetas recém-descobertos e suas estrelas hospedeiras, e um compromisso formal de assegurar que o património astronômico é preservada, um dos objetivos da IAU Divisão C.

"Desde que a IAU já está adotando nomes para exoplanetas e suas estrelas hospedeiras, tem sido vista como necessária para catalogar os nomes para estrelas de uso comum do passado, e esclarecer quais será oficial a partir de agora", diz Eric Mamajek , cadeira e organizador da WGSN.


As etimologias dos nomes escolhidos podem diferir, mas algumas orientações básicas são seguidas pela WGSN. Por exemplo, mais curto, nomes de uma palavra são preferidos, como são aqueles que têm suas raízes na astronômico, cultural ou natural património mundial. Este é preservar a continuidade e para garantir a longa história da descoberta astronômica é reconhecido. Muitas culturas ao redor do mundo têm nomes tradicionais para as estrelas brilhantes e asterisms . A maioria dos nomes ainda em uso hoje têm as suas raízes em grego, latim e culturas árabe, enquanto alguns têm origens mais recentes no séculos 19 e 20. Muitos têm sofrido poucas alterações desde a Renascença, que viu uma proliferação de globos celestes artísticas, atlas e publicados catálogos de estrelas. A WGSN é arquivar estes nomes das inúmeras fontes diferentes, e investigar as oportunidades de incorporar nomes de antigas tradições astronômicas ao redor do mundo em um oficial, uma lista de nomes de estrelas para uso pelos astrônomos, navegadores e público em geral IAU-aprovado.


Não é a primeira vez que a IAU examinou nomes históricos muito de perto: "Um esforço similar foi realizado no início da história da IAU, na década de 1920, quando as 88 constelações modernas foram esclarecidas a partir da literatura histórica, e os seus limites, nomes, grafias e abreviaturas foram delineados para uso comum na comunidade astronômica internacional. Muitos destes nomes são usados ​​hoje pelos astrônomos para as denominações de estrelas variáveis, nomes para novas galáxias anãs e fontes de raios-X brilhantes, e outros objetos astronômicos ", diz Mamajek.

A WGSN estabeleceu e mantém um novo catálogo de nomes de estrelas IAU, com o primeiro conjunto de 227 nomes aprovados publicados no site da IAU no Estrelas de nomenclatura tema .

O catálogo inclui 18 nomes de estrelas aprovados pelo Grupo de Trabalho Comitê Executivo IAU para a nomeação Pública dos Planetas e planetária Satélites em dezembro de 2015 (que incluiu 5 nomes antigos e 14 novos nomes propostos e votados pelo público através do NameExoWorlds concurso) e 209 nomes de deliberações da WGSN recentemente aprovado. Este número deverá crescer, como a WGSN continua a reviver antigos apelidos estelares e adicionar novos da comunidade astronômica em todo o mundo.

Entre os nomes oficialmente aprovados pela WGSN são Proxima Centauri (para a estrela mais próxima do Sol e da estrela hospedeira do exoplaneta conhecido mais próximo ), Rigil Kentaurus (antigo nome de Alpha Centauri e nomes para dezenas de estrelas brilhantes comumente usado para astronavigation . Entre as estrelas com nomes recém-aprovados que foram recentemente relatados para hospedar candidatos a planetas extra-solares são: Algieba (Gamma Leonis), Hamal (Alpha Arietis) e Muscida (Omicron Ursa Maior).

Potencialmente habitável super-Terra K2-3d observados transitando estrela-mãe

Um grupo de pesquisadores do Observatório Astronômico Nacional do Japão (NAOJ), da Universidade de Tóquio, eo Centro de Astrobiologia entre outros observou o trânsito de um planeta extra-solar potencialmente Earth-like conhecido como K2-3d usando o Muscat instrumento sobre o Okayama telescópio 188 centímetros Astrophysical Observatory. Um trânsito é um fenômeno em que um planeta passa na frente de sua estrela-mãe, bloqueando uma pequena quantidade de luz da estrela, como uma sombra do planeta. Enquanto trânsitos anteriormente foram observados por milhares de outros planetas extra-solares, K2-3d é importante porque há uma possibilidade de que ele poderia abrigar vida extraterrestre.

Ao observar seu trânsito precisamente usando a próxima geração de telescópios, como o Metro Telescópio Trinta ( TMT ), os cientistas esperam ser capazes de pesquisar a atmosfera do planeta para as moléculas relacionadas com a vida, como o oxigênio.

Com apenas as observações do Telescópio Espacial anteriores, no entanto, os pesquisadores não podem calcular o período orbital do planeta, precisamente, o que faz prever o momento exato de trânsitos futuros mais difícil. Este grupo de pesquisa conseguiu medir o período orbital do planeta com uma alta precisão de cerca de 18 segundos. Isso melhorou muito a precisão das previsões de tempos de trânsito futuras. Portanto, agora os pesquisadores irão saber exatamente quando para observar os trânsitos usando a próxima geração de telescópios. Este resultado de pesquisa é um passo importante para a busca de vida extraterrestre no futuro.

K2-3d
K2-3d é um planeta extrasolar 147 anos-luz de distância, que foi descoberto por missão Kepler da NASA K2. Tamanho do K2-3d é 1,5 vezes maior que a da Terra. O planeta orbita a sua estrela hospedeira - também conhecido como EPIC 201367065, hospedagem outros dois exoplanetas super-Terra, K2-3b e c - que é a metade do tamanho do Sol, com um período de cerca de 45 dias. Em comparação com a Terra, o planeta orbita perto de sua estrela (cerca de & frac15; da distância Terra-Sol). Mas, porque a temperatura da estrela hospedeira é menor do que a do Sol, os cálculos mostram que esta é a distância certa para o planeta ter um clima relativamente quente como o da Terra. Existe uma possibilidade de que pode existir água líquida na superfície do planeta, levantando a possibilidade tentadora de vida extraterrestres.


A órbita de K2-3d está alinhado de modo a que, visto da Terra, ele transita (passa em frente) a sua estrela hospedeira. Isso faz com que,, diminuições periódicas curtas no brilho da estrela, como o planeta bloqueia parte da luz da estrela. Este alinhamento permite aos investigadores para sondar a composição da atmosfera desses planetas por medição precisa da quantidade de luz estelar bloqueada em diferentes comprimentos de onda.

Cerca de 30 planetas potencialmente habitáveis ​​que também têm órbitas que transitam foram descobertos por missão Kepler da NASA, mas a maioria desses planetas orbitam estrelas mais fracas, mais distantes. Porque é mais perto da Terra e sua estrela hospedeira é mais brilhante, K2-3d é um candidato mais interessante para estudos de acompanhamento pormenorizado. A diminuição do brilho da estrela hospedeira causada pelo trânsito de K2-3d é pequena, apenas 0,07 por cento. No entanto, espera-se que a próxima geração de grandes telescópios será capaz de medir a forma como essa diminuição de brilho varia de acordo com o comprimento de onda, permitindo investigações sobre a composição da atmosfera do planeta. Se a vida extraterrestre existe no K2-3d, os cientistas esperam ser capazes de detectar moléculas relacionadas a ele, como o oxigênio na atmosfera.

Observações Muscat e melhorias de trânsito efemérides
O período orbital de K2-3d é de aproximadamente 45 dias. Desde período de pesquisa da missão K2 é de apenas 80 dias para cada área do céu, os pesquisadores só podia medir dois trânsitos nos dados K2.Isso não é suficiente para medir o período orbital do planeta, precisamente, por isso, quando os pesquisadores tentam prever os tempos de trânsitos futuras, criando algo chamado de "trânsito efemérides," mas há incertezas nos tempos previstos. Estas incertezas crescer mais como eles tentam prever mais para o futuro. Portanto, as observações de trânsito adicionais início e adaptações das efemérides foram necessários antes que os pesquisadores perdeu a noção do trânsito. Devido à importância da K2-3d, Telescópio Espacial Spitzer da NASA observou dois trânsitos logo após a descoberta do planeta, elevando o total para quatro medições de trânsito. No entanto, a adição de mesmo uma única medição de trânsito mais no futuro pode ajudar a produzir um efemérides significativamente melhorada.

Usando o Okayama 188 centímetros Reflector Telescope ea mais recente Muscat instrumento de observação, a equipe observou um trânsito de K2-3d pela primeira vez com um telescópio terrestre.Apesar de ser um brilho de redução de 0,07 por cento está perto do limite do que pode ser observado com telescópios terrestres, a capacidade de Muscat para observar três bandas de comprimento de onda simultaneamente reforçada a sua capacidade para detectar o trânsito. Por reanalisar os dados de Spitzer e K2, em combinação com esta nova observação, os investigadores têm melhorado significativamente a precisão do efemérides, determinando o período orbital do planeta para dentro de cerca de 18 segundos (1/30 da incerteza inicial). Esta melhoria efemérides de trânsito garante que quando a próxima geração de grandes telescópios vêm em linha, eles vão saber exatamente quando para observar trânsitos. Assim, estes resultados da investigação ajudar a pavimentar o caminho para futuras pesquisas de vida extraterrestres.

Os trabalhos futuros
missão K2 da NASA vai continuar pelo menos até fevereiro 2018 e é esperado para descobrir mais potencialmente planetas habitáveis como K2-3d. Além disso, o sucessor de K2, o transito Exoplanet Levantamento por satélite ( TESS ), será lançado em dezembro de 2017. TESS irá analisar todo o céu durante dois anos e espera-se detectar centenas de pequenos planetas como K2-3d perto do nosso sistema solar. Para caracterizar uma "segunda Terra" usando a próxima geração de grandes telescópios, será importante para medir as efemérides e características dos planetas com as observações de trânsito adicionais usando telescópios terrestres de médio porte. A equipa vai continuar a usar Muscat para a investigação relacionada com o futuro busca de vida extraterrestre.

O Paradoxo de Fermi: onde é que estão as outras Terras?



Quando você está em algum lugar propício para admirar as estrelas, e se a noite estiver especialmente boa para vê-las, é incrível olhar para cima e se deparar com algo semelhante à imagem acima.

Algumas pessoas ficam impressionadas pela beleza do céu, ou se deslumbram com a vastidão do universo. No meu caso, eu passo por uma leve crise existencial, e depois ajo bem estranhamente por meia hora. Cada um reage de um jeito diferente.

O físico Enrico Fermi também reagia diferente, e se perguntou: “cadê todo mundo?”

Os números

Um céu estrelado parece imenso, mas tudo o que estamos vendo é a nossa vizinhança. Nas melhores noites estreladas, nós podemos ver até 2.500 estrelas (mais ou menos um centésimo de milionésimo do total de estrelas em nossa galáxia). Quase todas estão a menos de mil anos-luz de nós (ou 1% do diâmetro da Via Láctea). Então, na verdade estamos olhando para isto:
Nosso céu noturno é formado por uma pequena parte das estrelas próximas e mais brilhantes dentro do círculo vermelho.

Quando somos confrontados com o assunto de estrelas e galáxias, uma questão que atormenta a maior parte dos humanos é: “há vida inteligente lá fora?” Vamos colocar alguns números nessa questão; se você não gosta de números, pode ler só o negrito.

Nossa galáxia tem entre 100 bilhões e 400 bilhões de estrelas; no entanto, este é quase o mesmo número de galáxias no universo observável. Então, para cada estrela da imensa Via Láctea, há uma galáxia inteira lá fora. No total, existem entre 10^22 e 10^24 estrelas no universo. Isso significa que para cada grão de areia na Terra, há 10.000 estrelas no universo.

O mundo da ciência não está em total acordo sobre qual porcentagem dessas estrelas são parecidas com o Sol (similares em tamanho, temperatura e luminosidade). As opiniões tipicamente vão de 5% a 20%. Indo pela mais conservadora (5%) e o número mais baixo na estimativa total de estrelas (10^22), isso nos dá 500 quintilhões, ou 500 bilhões de bilhões de estrelas similares ao Sol.

Também há um debate sobre qual porcentagem dessas estrelas similares ao Sol poderiam ser orbitadas por planetas similares a Terra (com condições parecidas de temperatura, que poderiam ter água líquida e que poderia sustentar vida similar à da Terra). Alguns dizem que é até 50%, mas vamos ficar com os conservadores 22% que apareceram em um recente estudo no PNAS. Isso sugere que há um planeta similar à Terra, potencialmente habitável, orbitando pelo menos 1% do total de estrelas do universo: um total de 100 bilhões de bilhões de planetas similares à Terra.

Então existem 100 planetas parecidos com a Terra para cada grão de areia do mundo. Pense nisso na próxima vez que for à praia.

Daqui para a frente, nós não temos outra escolha senão sermos especulativos. Vamos imaginar que, depois de bilhões de anos de existência, 1% dos planetas parecidos com a Terra tenham desenvolvido vida (se isso for verdade, cada grão de areia representaria um planeta com vida). E imagine que em 1% desses planetas avance até o nível da vida inteligente, como aconteceu na Terra. Isso significaria que teríamos 10 quatrilhões, ou 10 milhões de bilhões de civilizações inteligentes no universo observável.

Voltando para a nossa galáxia e fazendo as mesmas contas usando a estimativa mais baixa de estrelas na Via Láctea, estimamos que existem 1 bilhão de planetas similares à Terra, e 100 mil civilizações inteligentes na nossa galáxia. (A Equação de Drake traz um método formal para esse processo limitado que estamos fazendo).

A SETI (Busca por Inteligência Extraterrestre, na sigla em inglês) é uma organização dedicada a ouvir sinais de outras vidas inteligentes. Se nós estivermos certos e houver 100 mil ou mais civilizações inteligentes na nossa galáxia, uma fração delas estaria emitindo ondas de rádio, ou raios laser, ou qualquer coisa para realizar contato. Então os satélites da SETI deveria estar recebendo sinais de todo tipo, certo?

Mas não está. Nunca recebeu.
Cadê todo mundo?

Tipos de civilização

E tudo fica mais estranho. Nosso Sol é relativamente jovem em relação ao universo. Há estrelas muito mais velhas, com planetas muito mais velhos e semelhantes à Terra, o que em teoria representaria civilizações muito mais avançadas que a nossa. Por exemplo, vamos comparar nossa Terra de 4,54 bilhões de anos com um hipotético planeta X, com seus 8 bilhões de anos.
Se o planeta X tiver uma história similar a da Terra, vamos olhar para onde sua civilização estaria hoje:

Hoje, o Planeta X estaria a 3,46 bilhões de anos de desenvolvimento além do que temos hoje.

A tecnologia e o conhecimento de uma civilização mil anos à nossa frente poderia ser tão chocante quanto nosso mundo seria para uma pessoa medieval. Uma civilização um milhão de anos à frente poderia ser tão incompreensível para nós quanto a cultura humana é para chimpanzés. E o planeta X está a 3.4 bilhões de anos à frente de nós…

Existe algo chamado de Escala Kardashev, que nos ajuda a agrupar civilizações inteligentes em três grandes categorias, de acordo com a quantidade de energia que usam:
uma Civilização Tipo I tem a habilidade de usar toda a energia de seu planeta. Nós não somos exatamente uma Civilização Tipo I, mas estamos perto (Carl Sagan criou uma fórmula para essa escala que nos coloca como uma Civilização Tipo 0,7);
uma Civilização Tipo II pode colher toda a energia de seu sistema solar. Nosso débil cérebro Tipo I mal consegue imaginar como alguém faria isso, mas nós tentamos nosso melhor, imaginando coisas como a Esfera de Dyson.
uma Civilização Tipo III ultrapassa fácil as outras duas, acessando poder comparável ao da Via Láctea inteira.

Se esse nível de avanço parece difícil de acreditar, lembre-se do planeta X e de seus 3,4 bilhões de anos de desenvolvimento além do nosso (cerca de meio milhão de vezes mais do que o tempo que a raça humana existe). Se uma civilização no planeta X for similar à nossa e foi capaz de sobreviver até chegar no Tipo III, é natural pensar que a essa altura eles provavelmente já dominaram a viagem interestelar, possivelmente até mesmo colonizando a galáxia inteira.

Como essa colonização galáctica teria acontecido? Uma hipótese: cria-se um maquinário que pode viajar para outros planetas, passam-se uns 500 anos se auto-replicando usando os materiais que encontrarem no novo planeta, e então enviam-se duas réplicas para fazerem a mesma coisa.

Mesmo sem alcançar nada perto da velocidade da luz, esse processo colonizaria a galáxia inteira em 3,75 milhões de anos, relativamente um piscar de olhos quando estamos falando de uma escala de bilhões de anos:
Nesta evolução exponencial, a galáxia estaria completamente colonizada em 3,75 milhões de anos. Fonte: J. Schombert, U. Oregon

Continuando a especular, se 1% da vida inteligente sobreviver tempo suficiente para se tornar uma colonizadora de galáxias Civilização Tipo III em potencial, nossos cálculos acima sugerem que haveriam mil Civilizações Tipo III só em nossa galáxia. Dado o poder de tal civilização, sua presença provavelmente seria fácil de se notar. E, ainda assim, nós não vemos nada, não ouvimos nada e não fomos visitados por ninguém.

Então cadê todo mundo?

Sejam bem-vindos ao Paradoxo de Fermi.

Ainda não há uma resposta para o Paradoxo de Fermi. O melhor que podemos fazer é conseguir “explicações possíveis”. E se você perguntar a dez cientistas diferentes qual o palpite deles sobre a explicação correta, você terá dez respostas diferentes. Sabe quando humanos de antigamente discutiam se a Terra era redonda, ou se o Sol girava em torno da Terra, ou achavam que os raios aconteciam por causa de Zeus? Por isso, hoje eles parecem primitivos e ignorantes; no entanto, esse é mais ou menos o ponto em que estamos neste assunto.

Ao analisar as hipóteses mais discutidas sobre o Paradoxo de Fermi, vamos dividi-las em duas grandes categorias: as explicações que supõem que não há sinal de Civilizações Tipo II e III porque elas não existem; e as explicações que sugerem que elas estão lá, só que não estamos vendo ou ouvindo nada por outros motivos.
Grupo 1 de Explicações: não há sinais de civilizações superiores (Tipos II e III) porque elas não existem.

Aqueles que acreditam em explicações do Grupo 1 recusam qualquer teoria do tipo “existem civilizações maiores, mas nenhuma delas fez qualquer tipo de contato conosco porque todas _____”. O pessoal do Grupo 1 vê os números, entende que deveria haver milhares (ou milhões) de civilizações superiores, e intui que pelo menos uma delas deveria ser a exceção à regra. Mesmo se uma teoria abarcasse 99,99% das civilizações superiores, o 0,001% restante se comportaria de alguma outra forma e nós perceberíamos sua existência.

Por isso, dizem as explicações do Grupo 1, não entramos em contato com civilizações superavançadas porque porque não existem. Como a matemática sugere que existem milhares delas só na nossa galáxia, alguma outra coisa deve estar acontecendo.

Essa “outra coisa” é o Grande Filtro.

A teoria do Grande Filtro diz que, em algum ponto entre o início da vida e a inteligência Tipo III, há uma barreira. Há algum estágio naquele longo processo evolucionário que é improvável ou impossível de ser atravessado pela vida. Esse estágio é chamado de O Grande Filtro.
As linhas amarelas mostram saltos evolucionários comuns de serem alcançados. A linha vermelha é o Grande Filtro. A linha verde representa uma espécie que, passando por eventos extraordinários, consegue ultrapassar o Grande Filtro.
Se essa teoria for real, a grande questão é: quando acontece o Grande Filtro na linha do tempo?
Acontece que, quando o assunto é o destino da humanidade, essa questão é muito importante. Dependendo de quando O Grande Filtro ocorre, sobram para nós três possíveis realidades: nós somos raros; nós somos os primeiros; ou nós estamos ferrados.
1. Nós somos raros (já passamos do Grande Filtro)
Uma esperança é que já tenhamos passado do Grande Filtro. Nós conseguimos atravessá-lo, portanto é extremamente raro que a vida alcance nosso nível de inteligência. O diagrama abaixo mostra apenas duas espécies passando por ele; nós somos uma delas.



As linhas amarelas mostram saltos evolucionários comuns de serem alcançados. A linha vermelha é o Grande Filtro. A linha verde representa uma espécie que, passando por eventos extraordinários, consegue ultrapassar o Grande Filtro.

Se essa teoria for real, a grande questão é: quando acontece o Grande Filtro na linha do tempo?

Acontece que, quando o assunto é o destino da humanidade, essa questão é muito importante. Dependendo de quando O Grande Filtro ocorre, sobram para nós três possíveis realidades: nós somos raros; nós somos os primeiros; ou nós estamos ferrados.

1. Nós somos raros (já passamos do Grande Filtro)

Uma esperança é que já tenhamos passado do Grande Filtro. Nós conseguimos atravessá-lo, portanto é extremamente raro que a vida alcance nosso nível de inteligência. O diagrama abaixo mostra apenas duas espécies passando por ele; nós somos uma delas.


Esse cenário explicaria por que não existem Civilizações Tipo III… mas isso também poderia significar que nós podemos ser uma das exceções, já que chegamos até aqui. Isso significaria que há esperança para nós. Superficialmente, isso parece com as pessoas de meio século atrás, sugerindo que a Terra é o centro do universo. Sugere que nós somos especiais.

Mas se nós somos especiais, quando exatamente nos tornamos especiais? Isto é, qual passo nós superamos, apesar de quase todo mundo ficar preso nele?

Uma possibilidade: o Grande Filtro pode estar no comecinho de tudo; pode ser incrivelmente raro que a vida comece. Esse é um candidato porque demorou um bilhão de anos para a vida na Terra finalmente acontecer, e porque nós tentamos exaustivamente replicar esse evento em laboratórios e jamais conseguimos. Se este é mesmo o Grande Filtro, isso significaria que não deve existir vida inteligente lá fora – pode simplesmente não haver vida.

Outra possibilidade: o Grande Filtro pode ser o salto de células procariontes simples para células eucariontes complexas. Após o surgimento das procariontes, elas permaneceram dessa forma por quase dois milhões de anos antes de darem o salto evolucionário para se tornarem complexas e ganharem um núcleo. Se esse é o Grande Filtro, isso significaria que o universo está repleto de células procariontes simples e quase nada além disso.

Há outras possibilidades. Alguns acham até que nosso salto evolucionário mais recente, alcançando nossa inteligência atual, é um candidato a Grande Filtro. Ainda que o salto de vida semi-inteligente (chimpanzés) até a vida inteligente (humanos) a princípio não pareça um passo miraculoso, Steven Pinker rejeita a ideia de que a “escalada ascendente” da evolução seja inevitável:


Uma vez que a evolução apenas acontece, sem ter um objetivo, ela usa a adaptação mais útil para um certo nicho ecológico. O fato que, na Terra, até hoje isso levou a inteligência tecnológica apenas uma vez, pode sugerir que essa consequência da seleção natural é rara e, consequentemente, não é um desenvolvimento infalível da evolução de uma árvore da vida.

A maioria dos saltos não se qualifica como candidatos a Grande Filtro. Qualquer Grande Filtro possível deve ser algo que só acontece uma vez em um bilhão, onde uma ou mais anomalias devem ocorrer para proporcionar uma enorme exceção.

Por esse motivo, algo como pular de uma vida unicelular para uma multicelular está fora de questão como filtro, porque isso aconteceu pelo menos 46 vezes em incidentes isolados, só no nosso planeta. Pela mesma razão, se nós encontrarmos uma célula eucarionte fossilizada em Marte, ela iria tirar o salto “de-célula-simples-para-complexa” da lista de possíveis Grandes Filtros (assim como qualquer outra coisa que esteja antes desse ponto na cadeia evolucionária). Se isso aconteceu tanto na Terra quanto em Marte, claramente não é uma anomalia.

Se nós formos mesmo raros, isso pode ser por causa de um acidente biológico, mas isso também pode ser atribuído ao que se chama de Hipótese da Terra Rara. Ela sugere que, ainda que existam muitos planetas similares a Terra, as condições particulares do nosso planeta o tornam tão conveniente à vida — sejam as relacionadas a seu sistema solar, seu relacionamento com a Lua (uma lua tão grande é incomum para um planeta tão pequeno, contribuindo para as condições peculiares de nosso clima e nosso oceano), ou algo sobre o planeta em si.

2. Nós somos os primeiros


A civilização humana é representada pela linha laranja.

Para pensadores do Grupo 1, se já não tivermos passado pelo Grande Filtro, nossa única esperança é que, do Big Bang até hoje, as condições no universo estão alcançando um nível que permita o desenvolvimento de vida inteligente. Nesse caso, nós podemos estar a caminho da super inteligência, mas isso ainda não aconteceu. Por acaso, nós estaríamos na hora certa para nos tornarmos uma das primeiras civilizações super inteligentes.

Um exemplo de um fenômeno que poderia tornar isso realístico é o predomínio de explosões de raios gama, detonações absurdamente imensas que observamos em galáxias distantes. Levou algumas centenas de milhões de anos para que os asteróides e vulcões se acalmassem e a vida se tornasse possível.

Da mesma forma, pode ser que o começo das existências no universo esteja cheio de eventos cataclísmicos, como explosões de raios gama que incinerariam tudo à sua volta de tempos em tempos, evitando que qualquer vida se desenvolva a partir de um certo estágio. Talvez estejamos agora no meio de uma fase de transição astrobiológica, e essa seja a primeira vez que qualquer vida tenha sido capaz de se desenvolver ininterruptamente por tanto tempo.

3. Nós estamos ferrados (o Grande Filtro está chegando)
O Grande Filtro é representado pela linha vermelha.

Se nós não somos nem raros nem pioneiros, os pensadores do Grupo 1 concluem que O Grande Filtro deve estar no nosso futuro. Isso implicaria que a vida frequentemente evolui até onde estamos, mas alguma coisa impede, em quase todos os casos, que a vida vá muito adiante e alcance a inteligência avançada — e dificilmente nós seremos uma exceção.

Um possível Grande Filtro seria algum evento cataclísmico que ocorra regularmente, como as já mencionadas explosões de raio gama. Só que ela ainda não teria ocorrido e, infelizmente, é uma questão de tempo até que ela acabe com toda a vida na Terra. Outra candidata é a destruição possivelmente inevitável que quase todas as civilizações inteligentes acabariam trazendo para si mesmas, uma vez atingido certo nível de tecnologia.

É por isso que o filósofo Nock Bostrom, da Universidade de Oxford, diz que “boa novidade é não haver novidade“. Se descobrirem vida em Marte, mesmo que simples, isso seria devastador, porque eliminaria diversos potenciais Grandes Filtros no passado. E se encontrarmos fósseis de vida complexa em Marte, Bostrom diz que “seria a pior notícia já impressa em uma primeira página de jornal”, porque significaria que o Grande Filtro está quase que definitivamente à nossa frente, condenando toda nossa espécie de uma vez. Bostrom acredita que, quando se trata do Paradoxo de Fermi, “o silêncio do céu noturno é ouro”.
Grupo 2 de Explicações: civilizações inteligentes dos Tipos I e II existem, mas há razões lógicas para que não tenhamos ouvido falar delas.

As explicações do Grupo 2 abandonam qualquer ideia de que nós somos raros, especiais ou qualquer coisa parecida. Pelo contrário, elas acreditam no Princípio da Mediocridade: ou seja, até que se prove o contrário, não há nada de especial ou incomum em nossa galáxia, sistema solar, planeta ou nível de inteligência. Além disso, elas são mais cautelosas antes de assumir que, se não há evidências de uma inteligência superior, ela não existe. Elas enfatizam o fato de nossas buscas por sinais só alcançarem mais ou menos até 100 anos-luz de nós (0,1% da galáxia) e só terem ocorrido há menos de uma década, o que é pouquíssimo tempo.

Pensadores do Grupo 2 têm uma ampla gama de possíveis explicações para o Paradoxo de Fermi. A seguir, eis as nove mais discutidas:

Possibilidade 1: a vida superinteligente pode ter visitado a Terra antes de estarmos aqui. Humanos sencientes só estão por aí há uns 50 mil anos, um piscar de olhos se comparado à existência do universo. Se o contato ocorreu antes disso, deve ter assustado alguns patos e só. Além disso, nossa história documentada só vai até uns 5.500 anos atrás. Por isso, talvez tribos humanas de caçadores-coletores pode ter passado por algumas experiências loucas com aliens, mas não tinham como contá-las para as pessoas do futuro.

Possibilidade 2: a galáxia foi colonizada, mas nós moramos em uma área despovoada. As Américas podem ter sido colonizadas pelos europeus muito antes de qualquer um daquela pequena tribo Inuit ao norte do Canadá ter percebido o ocorrido. Pode haver um elemento de urbanização nas moradias estelares das espécies mais avançadas: todos os sistemas solares de uma certa área são colonizados e estão em comunicação, mas seria pouco prático e inútil pra qualquer um deles vir até o canto distante e aleatório em que vivemos.

Possibilidade 3: todo o conceito de colonização física é comicamente atrasado para uma espécie mais avançada. Uma Civilização Tipo II consegue usar toda a energia de sua estrela. Com toda essa energia, eles podem ter criado um ambiente perfeito para eles, satisfazendo todas as suas necessidades. Eles podem ter meios hiperavançados de reduzir a necessidade de recursos, e interesse zero em deixar sua utopia feliz para explorar um universo frio, vazio e pouco desenvolvido.

Uma civilização ainda mais avançada poderia ver todo o mundo físico como um lugar horrivelmente primitivo, tendo há muito dominado sua própria biologia e feito upload de seus cérebros para uma realidade virtual, um paraíso da vida eterna. Viver em um mundo físico de biologia, morte, desejos e necessidades pode soar para eles da mesma forma como nos soam as espécies primitivas vivendo no oceano escuro e gelado.

Possibilidade 4: há civilizações predatórias e assustadoras lá fora, e as formas de vida mais inteligentes sabem que não devem transmitir sinais e divulgar sua localização. Essa é uma ideia desagradável, mas que ajudaria explicar a falta de sinais recebidos pelos satélites SETI. Ela também significaria que, ao transmitir nossos sinais lá pra fora, estamos sendo novatos inocentes e descuidados. Há um debate envolvendo METI (Mensagem às Inteligências Extraterrestes na sigla em inglês; o inverso de SETI, que só escuta). Basicamente, deveríamos mesmo enviar mensagens para o universo? A maioria das pessoas diz que não.

Stephen Hawking adverte: “se aliens nos visitarem, o resultado pode ser parecido com a chegada de Colombo nas Américas, que não terminou bem para os nativos”. Mesmo Carl Sagan, que geralmente acredita que qualquer civilização avançada o bastante para viagens interestelares seria altruísta, não hostil, diz que a prática de METI é “profundamente imprudente e imatura“, e recomendou que “as crianças mais novas de um cosmo estranho e incerto deveriam ouvir em silêncio por um longo tempo, aprendendo pacientemente e tomando notas sobre o universo, antes de gritar para uma selva desconhecida que não conseguimos compreender”. Assustador.

Possibilidade 5: existe apenas uma única inteligência superior, uma civilização “superpredadora” (mais ou menos como os humanos aqui na Terra) que é muito mais avançada que todas as outras e mantém as coisas assim, exterminando qualquer civilização que ultrapasse um certo nível de inteligência. Isso seria um saco. Poderia funcionar se o extermínio de todas as inteligências emergentes fosse um desperdício de recursos, já que a maioria se mata sozinha. Mas, ultrapassado um certo ponto, esses super seres agiriam porque, para eles, uma espécie inteligente emergente se tornaria um vírus, conforme começasse a crescer e se expandir. Essa teoria sugere que a vitória é de quem foi o primeiro a alcançar a inteligência superior. Ninguém mais tem chance. Isso explicaria a falta de atividade lá fora, porque o número de civilizações superinteligentes seria 1.

Possibilidade 6: há muito barulho e atividade lá fora, mas nossas tecnologias são muito primitivas e nós estamos procurando pelas coisas erradas. É como entrar em um prédio de escritórios, ligar um walkie-talkie (que ninguém mais usa) e, ao não ouvir nada, concluir que o prédio está vazio. Ou talvez, como apontou Carl Sagan, pode ser que nossas mentes trabalhem exponencialmente mais rápido ou mais lentamente do que a de qualquer outra forma de vida lá fora. Ou seja, eles levam 12 anos pra dizer “oi” e, quando nós ouvimos essa comunicação, isso parece apenas ruído.

Possibilidade 7: civilizações mais avançadas sabem sobre nós e estão nos observando, mas se ocultam de nós (a “Hipótese do Zoológico”). Até onde sabemos, civilizações super inteligentes existem em uma galáxia controlada rigidamente, e nossa Terra é tratada como parte de um safári amplo e protegido, e planetas como o nosso estão sob uma estrita regra de “olhe, mas não toque”. Nós não estamos cientes deles porque, se uma espécie muito mais inteligente quisesse nos observar, ela saberia como fazer isso sem nos deixar saber. Talvez haja uma regra similar à “Primeira Diretriz” de Jornada nas Estrelas, que proíbe seres super inteligentes de fazerem qualquer contato aberto com espécies inferiores como a nossa, ou de se revelarem de qualquer forma, até que a espécie inferior alcance um certo nível de inteligência.

Possibilidade 8: civilizações superiores existem à nossa volta, mas somos primitivos demais para percebê-las. Michio Kaku resumiu isso assim:


Digamos que há um formigueiro no meio da floresta. Ao lado do formigueiro, estão construindo uma super autoestrada de dez faixas. E a questão é, “as formigas seriam capazes de entender o que é uma super autoestrada de dez faixas? Elas seriam capazes de entender a tecnologia e as intenções dos seres construindo a autoestrada a seu lado?”

Então não é que, usando nossa tecnologia, não sejamos capazes de receber os sinais do planeta X. É que nós não conseguimos sequer entender o que são os seres do planeta X, ou o que eles estão tentando fazer. É tão além de nós que mesmo se eles quisessem nos esclarecer, seria como tentar ensinar às formigas sobre a internet.

Seguindo essa linha, essa pode ser uma resposta para “se existem tantas exuberantes Civilizações Tipo III, por que ainda não entraram em contato conosco?”. Para responder isso, vamos nos perguntar: quando Pizarro chegou ao Peru, ele parou um tempo em um formigueiro e tentou se comunicar com ele? Ele foi magnânimo, tentando ajudar as formigas? Ele foi hostil e atrasou sua missão original só para esmagar e destruir o formigueiro? Ou, para Pizarro, o formigueiro era completa e absoluta e eternamente irrelevante? Essa pode ser a nossa situação nesse caso.

Possibilidade 9: nós estamos completamente enganados sobre nossa realidade. Há muitas maneiras pelas quais nós podemos estar totalmente iludidos em tudo que pensamos. O universo pode parecer ser de um jeito e ser de outro completamente diferente, como um holograma. Ou talvez nós sejamos os alienígenas e fomos plantados aqui como um experimento. Há até mesmo a chance de que sejamos parte de uma simulação de computador de algum pesquisador de outro mundo, e outras formas de vida simplesmente não foram programadas na simulação.
Conclusão

Conforme continuamos em nossa possivelmente inútil busca por inteligência extraterrestre, eu não tenho certeza o que queremos encontrar. Francamente, tanto faz saber se estamos oficialmente sozinhos no universo ou se estamos oficialmente na companhia de outros, ambas são opções assustadoras. É um tema recorrente em todos os enredos surreais acima: qualquer que seja a verdade, ela é de enlouquecer.

Além de seu chocante ingrediente de ficção científica, o Paradoxo de Fermi também me deixa profundamente humilde. Não só lembra que sou microscópico e minha existência dura uns três segundos, algo que me vem à cabeça sempre que penso sobre o universo. O Paradoxo de Fermi traz à tona uma humildade mais mordaz, mais pessoal, do tipo que só acontece depois de passar horas de pesquisa ouvindo os mais renomados cientistas de nossa espécie apresentando as teorias mais insanas, mudando de ideia e contradizendo um ao outro freneticamente. Ele nos faz lembrar que as futuras gerações olharão para nós da mesma forma que nós olhamos para os antigos, que tinham certeza que as estrelas estavam sob o domo do céu; no futuro, lembrarão de nós dizendo “uau, eles não tinham ideia nenhuma do que estava acontecendo”.

E ainda temos mais outro golpe à autoestima com todo esse assunto de Civilizações Tipos II e III. Aqui na Terra, nós somos os reis de nosso pequeno castelo, comandando os rumos do planeta mais do que qualquer outra espécie. Nessa bolha, sem competição e sem ninguém para nos julgar, é raro que sejamos confrontados com a ideia de sermos uma espécie inferior a qualquer outra. Mas não somos nem uma Civilização Tipo I!

Dito isso, toda essa discussão é maravilhosa para mim. Sim, tenho minha perspectiva de que a humanidade é uma órfã solitária em uma pequena rocha no meio de um universo solitário. Mas as hipóteses apontam que provavelmente não somos tão espertos como pensamos. Além disso, muito do que temos certeza pode estar errado. Tudo isso me deixa esperançoso em conhecer e descobrir mais, nem que seja um pouquinho, porque existem muito mais coisas do que nós temos consciência.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Astrônomos descobrem 234 possíveis sinais inteligentes, vindos de estrelas como o nosso Sol



“…Consideramos a possibilidade, prevista em um trabalho publicado anteriormente, de que os sinais sejam causados por pulsos de luz gerados por uma Inteligência Extraterrestre (IET), para que fiquemos cientes de sua existência. Descobrimos que os sinais detectados têm exatamente o formato de um sinal de IET, previsto em publicações anteriores, e assim em concordância com esta hipótese…”


Teriam os pesquisadores captado sinais de civilizações alienígenas avançadas no Universo, se comunicando? Um novo trabalho publicado analisa algo realmente ímpar que está ocorrendo no espaço.

Especialistas da Sloan Digital Sky Survey estão trabalhando na análise de 2,5 milhões de estrelas e monitorando seus padrões de emissão de luz. Enquanto estavam investigando, os cientistas notaram que por volta de duzentas dessas estrelas estavam se comportando de forma estranha.

Eles observaram breves pulsos de luz vindos de 234 das 2,5 milhões de estrelas. Os pulsos são consistentes como um ‘laser de alto poder’ – como aqueles que somos capazes de produzir – e estavam apontados na direção de outras estrelas.

Muitos especularam que esta poderia ser uma das formas que os alienígenas se comunicam.

De fato, este método de sinalização e detecção foi descrito em 2012 em outros trabalhos de pesquisa.

O novo estudo, que foi publicado em arXiv.org, indica:

“Sinais tendo o mesmo período foram encontrados em somente 234 estrelas, predominantemente na gama espectral F2 até K1. Os sinais não poderiam ter sido causados por efeitos instrumentais ou de análise de dados, porque estes estão presentes em somente uma pequena fração das estrelas dentro de uma gama espectral estreita, e porque as consideração da taxa de sinal para ruído predizem que o sinal deveria, pela maior parte, ser detectado nos objetos mais brilhantes, enquanto este não é o caso.”

Alienígenas não são a única opção. Na verdade, especialistas têm considerado várias possibilidades, tais como as transições rotacionais em moléculas, pulsações rápidas e, é claro, a transformação Fourier das linhas e sinais espectrais gerada pela Inteligência Extraterrestre – IET.

Antes de considerar a possibilidade IET, os pesquisadores quiseram ver se os pulsos de luz eram causados pelas transições rotacionais em moléculas ou rápidas pulsações das próprias estrela. Contudo, eles descobriram que esta explicação era improvável, pois a natureza dos pulsos de luz não pôde ser atribuída com tal regularidade à atividade solar.
Entre as teorias prevalecentes está a de que estes sejam de fato sinais gerados por uma civilização alienígena avançada. Os extraterrestres podem estar usando ‘pulsos’ para se comunicar com outras civilizações.

Este método foi detalhado num trabalho de pesquisa publicado em 2012 pelo Dr. Borra.

Nesse estudo, o Dr. Borra sugere que os pulsos de luz originários de estrelas podem ser uma forma com que as civilizações alienígenas avançadas estejam tentando fazer o primeiro contato, já que este é um método não-intrusivo e não intimidador para os humanos.

Os pesquisadores concluem que:

“…neste estágio, a geração de modulação espectral por uma IET é uma hipótese que precisa ser confirmada com mais pesquisa. Isto pode ser feito por observações repetidas dessas estrelas, com detectores fotoelétricos capazes de detectar sinais de intensidade muito rápida. Contudo, a IET não necessariamente pode nos enviar pulsos a todos os momentos, assim a falta de detecções em algumas estrelas não significa que lá a IET não exista. A razão porque a IET possa não estar enviando pulsos a todos os momentos pode ser simplesmente devido ao fato que os sinais devem ser enviados a um grande número de estrelas, assim muito energia é requerida para enviar os pulsos para todas as estrelas o tempo todo…”

Pesquisadores confirmam duas anomalias nas pirâmides do Egito



O projeto ‘futurista’ ScanPyramids utiliza uma mistura de termografia infravermelha, imageamento de radiografia múon, e reconstituição em 3D. Até agora, várias cavidades misteriosas foram descobertas dentro da pirâmide.


O Ministério de Antiguidade Egípcias confirmou a descoberta de duas anomalias dentro da Grande Pirâmide de Quéops, mas não detalhou suas naturezas. O ministério liberou informações limitadas a respeito da descoberta, dizendo que futuros estudos serão feitos para aprender mais sobre as anomalias.

De acordo com uma declaração, uma das anomalias foi descoberta na parte superior do portal do mausoléu piramidal, construído há milhares de anos, e a segunda foi descoberta na face nordeste da pirâmide

O anúncio coincide com o primeiro aniversário do projeto ScanPyramids, lançado para estudar o

interior da pirâmides egípcias, com métodos não invasivos, tais como a detecção por múons (partículas de energia que penetram objetos), termografia infravermelha ou fotogrametria.

Hany Helal, coordenador do projeto, foi citado em uma declaração dizendo: “Durante os próximos períodos, mais pesquisas e estudos serão conduzidos para identificar a natureza e tamanho das anomalias.”

Então, o que seriam estas misteriosas anomalias?

Milhares de anos após estas estruturas majestosas terem sido construídas, as pirâmides permanecem um dos grandes mistérios arqueológicos do planeta. A presença de tais anomalias somente mostra o quão fascinantes e cheias de segredos estas antigas estruturas realmente são.

O ex-Ministro das Antiguidades, Zahi Hawass, falou que o comitê ministerial de supervisão do trabalho científico do projeto ScanPyramida aceitou os resultados obtidos pelos pesquisadores do programa, durante os últimos doze meses. Ele também disse que “a princípio” a extensão do projeto por mais um ano foi aprovada. Contudo, o projeto ainda precisa de uma aprovação final do comitê do Ministério das Antiguidades para proceder com os estudos.

No ano passado, um grupo internacional de pesquisadores anunciou a detecção de uma estranha diferença de temperatura em vários blocos da Grande Pirâmide, indicando a presença algo dentro dela.

Novo estudo diz que a vida existe sim em Marte, e foi encontrada pela sonda Viking em 1976


Um novo estudo publicado no Journal Astrobiology sugere que o experimento Viking (LR) 1976 descobriu mesmo evidências de vida microbiana na superfície de Marte.

Há quarenta anos, antes de termos qualquer ideia da existência de água no estado líquido em Marte, e que o planeta vermelho era a coisa mais próxima ao ambiente da Terra em nosso sistema solar, o experimento Viking 1976 descobriu evidências conclusivas que davam apoio à existência de vida em Marte, diz um novo estudo. De forma estranha, há quarenta anos, ‘os traços de vida’ em Marte foram descartados como sendo um erro, mas o cientistas hoje discordam.

A questão se Marte é habitado, ou não, tem captado o interesse e a imaginação de milhões ao redor do globo. Em 1976, um experimento conhecido como Viking Labeled Released retornou um resultado positivo por traços de vida em Marte.

Ambas sondas Viking, que pousaram em Marte a 6.000 km uma da outra, retornaram resultados muito similares, levando muitos cientistas a concluírem que a vida havia sido detectada naquele planeta.

Porém, como céticos que somos por natureza, a descoberta foi descartada e rotulada como não biológica.

O material do solo que apoiou esta explicação permaneceu um mistério.

Agora, quarenta anos após o experimento Viking Labeled Released, e com um novo banco de dados de recente conhecimento – água na superfície no estado líquido, moléculas orgânicas complexas e metano em Marte – os especialistas ao redor do globo indicam que NÃO podemos descartar a possibilidade de que há mesmo vida na superfície de Marte.

Astrobiólogos argumentam que há evidências suficientes para respaldar a teoria de que Marte é habitado.

No artigo publicado no Journal Astrobiology, pesquisadores da Universidade do Arizona, em Tempe, e dos Instituto Nacional de Saúde, em Bethesda, discutem sobre a ideia de que há vida em Marte. Eles argumentam que a evidência é “consistente com uma explicação biológica”, o que significa que é muito provável que algum tipo de micro-organismo em Marte conseguiu se adaptar e evoluir o suficiente para se tornar resistente às condições ambientais difíceis que imperam na superfície marciana.

O que os especialistas fizeram foi estudar os experimentos LR do 1976 Viking Labeled Release e avaliar a ‘hipótese não biológica.

Nos testes LR, os pesquisadores sujeitaram as amostras do solo marciano a injeções de nutrientes, pré-aquecendo-as e deixando-as numa sala escura por aproximadamente dois meses.

Eles descobriram que houve similaridades às reações vistas em solos terrestres, inclusive de dados de amostras coletadas na Califórnia, Alasca, e Antártica.

Os autores do estudo escreveram:


“Cada uma dessas características é remanescente da reação por um compendio de espécies de micro-organismos terrestres, inclusive reações iniciais positivas, os controles de 160C e 50C, a reabsorção do gás evoluído sobre a segunda injeção de nutrientes, a morte por armazenagem isolada de longo prazo.”

Desde que Marte tem sido assunto de debate, por mais de meio século, várias explicações e teorias têm sido propostas para explicar certas descobertas. Os pesquisadores tinham que considerar todas as possibilidades, inclusive aquelas que sugeriam que os resultados obtidos pelos experimentos LR foram provavelmente causados por oxidantes não biológicos do solo . Contudo, nenhuma oxidação que possa satisfazer todas as descobertas já feitas foi encontrada, e os especialistas não fizeram mais experimentos metabólicos na superfície de Marte.

Tudo isto poderá mudar no futuro, pois os especialistas alertam que devemos nos preparar adequadamente para uma missão tripulada até a superfície do planeta vermelho.

Já que tais missões são obviamente inevitáveis, é imperativo para a saúde, segurança e biologia explicar os resultados das sondas Viking de 1976.

Os autores do estudo escrevem:
“Planos para quaisquer missões de retorno de amostras de Marte deveriam também levar em consideração que tais amostras podem conter uma vida alienígena viável, mesmo se for dormente. Não podemos descartar a explicação biológica. Isto tem uma implicação para os planos de retorno de amostras de Marte e missões humanas futuras.”