segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

OVNI: Encontrado no Brasil pelo Google Earth


Um OVNI foi encontrado no Google Earth em um cemitério do Rio de Janeiro,Brasil perto do Cristo Redentor.


Cordenadas: 22°57’32.83″S 43°11’18.95″W

video

Kirliangrafia ou Bioeletrofotografia

Quando ela foi descoberta, logo sugeriram que poderia mostrar a aura. Com o passar do tempo, viram que infelizmente não era a aura, mas sim o campo elétrico que as fotos mostravam. Descubra como foi descoberta, a explicação para o fenômeno e quais as suas utilidades.

Alguns ocultistas afirmam que todos os seres vivos - quer se trate de uma árvore, um gato ou uma pessoa - têm uma "aura". Com essa palavra, referem-se à emanação invisível de energias sutis, não físicas, que envolveriam o corpo físico de todas as criaturas. Desde o século 19, afirma-se que pessoas dotadas de poderes psíquicos percebem a aura usando um sentido análogo ao da visão - mas não idêntico a ela.

C.W. Leadbeater e outros ocultistas afirmaram que não só podiam distinguir a aura, como também conseguiam vê-la tão detalhadamente que seriam capazes de diagnosticar com precisão as condições espirituais das pessoas observadas. As cores da aura, ao mudar, poderiam revelar muito sobre a personalidade e a condição psíquica do individuo, segundo eles. Algumas pessoas com poderes psíquicos afirmam que podem ver, de fato, auréolas em volta de crianças e de alguns adultos.

Com a descoberta da foto kirlian, não só estes grandes ocultistas poderiam ver a aura, mas sim qualquer pessoa....

O Descobrimento da Foto Kirlian
  
Semion Kirlian, cientista russo, acreditava ter desenvolvido um método para fotografar auras.

  Próximo ao final do ano de 1939, em uma pequena cidade ao sul da antiga União Soviética, Semyon Davidovich Kirlian, um eletricista famoso por seus bons serviços de manutenção em equipamentos eletro-eletrônicos, obtinha acidentalmente (ou não), a primeira foto Kirlian da história. Ao ser chamado para consertar um aparelho de eletromedicina de um hospital local, Kirlian encostou a mão em uma peça energizada e foi vítima de uma fortíssima descarga elétrica. No momento do choque, ele observou que entre seus dedos e a peça energizada, formavam-se interessantes e maravilhosas "luminescências azuladas". Sem saber o que havia descoberto, e sem se preocupar muito com a dor, ele novamente encostou sua mão na peça energizada, só que desta vez com um filme fotográfico entre eles e na mais completa escuridão. Ele colocou o filme no revelador e a medida que a foto era formada, Kirlian se deparava com maravilhosos matizes e raios, que aos poucos iam tomando a forma de sua mão. É claro que naquela época Kirlian nem se quer imaginava o que havia descoberto, e mesmo sem saber o que aquelas estranhas formas podiam revelar, ele iniciou suas pesquisas, sempre muito bem apoiado por sua esposa Valentina que sempre estava disposta a ser sua "cobaia" nas fotos.

O tempo foi passando e Kirlian desenvolveu aparelhos que pudessem lhe proporcionar as fotos sem a desagradável dor e os malefícios das descargas elétricas. Certa vez se deparou com uma foto estranha, diferente do "padrão" que estava acostumado a obter. Kirlian testou todos os componentes da máquina, tirou novas fotos e as mesmas estranhas formas estavam presentes. Poucos dias depois ele adoeceu com sérios problemas cardíacos, provavelmente consequentes das experiências com a alta voltagem, só que a estranha foto que tirou de seu próprio dedo já lhe mostrara isso, mesmo antes dele adoecer.
                                                Bioeletrografia da ponta de um dedo indicador

Quando os cientistas ficaram sabendo desse fato, com o aval dos líderes estaduais, passaram a dar certa atenção às pesquisas que Kirlian e sua esposa vinham fazendo. Certa vez um cientista levou duas folhas aparentemente de um mesmo vegetal para que Kirlian as fotografasse. Ao revelar as fotos, uma delas apresentava maravilhosos contornos luminescentes, enquanto a outra apenas manchas ou borrões luminosos podiam ser vistos. Somente após chamar o cientista à sua casa é que Kirlian ficou sabendo que o vegetal cuja folha proporcionou a foto ruim já havia até morrido, contaminado com uma doença. Somente então é que o trabalho que Kirlian vinha realizando tornou-se realmente reconhecido e se tornou instrumentos de pesquisas mais sérias.

O primeiro relato importante sobre as pesquisas de Kirlian, trazido aqui para o Ocidente, foi o livro Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro, de Lynn Schroeder e Sheila Ostrander, lançado em 1970. Você pode baixá-lo completo em português aqui. Vá para a página 318 para ler o capítulo FOTOGRAFIA KIRLIANA - RETRATOS DA AURA? e ver diversas fotos.

Aqui no Brasil, as primeiras pesquisas foram feitas pelo Engenheiro Hernani Guimarães Andrade, fundador do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), adaptando a tecnologia Kirlian à nossa realidade e possibilitando a obtenção das primeiras eletrografias brasileiras, de boa qualidade e de custo relativamente baixo.
                                          Valentina Kirlian e Semyon D. Kirlian observando uma foto

Explicação para o Efeito Foto Kirlian

A Máquina Kirlian é na verdade um aparelho capaz de gerar uma alta-tensão em uma alta freqüência, que sensibiliza um filme de acordo com o que estiver em volta do campo eletromagnético que se forma pela alta tensão no eletrodo (local onde colocamos o dedo ou objetos), e nunca pode ser considerada como um "aparelho milagroso", capaz de fotografar uma coisa tão "mistificada" que é a Aura, coisa que não nos cabe cogitar o que seja e do que seja constituída.
Pessoas com habilidades psíquicas afirmam ver auras a olho nu. O doutor Kilner, médico do Hospital Sr. Thomas, de Londres, pensou ter inventado "óculos"que permitiriam também a pessoa comum vê-las. Sua criação consistia em dois visores duplos lacrados, com um corante azul entre os dois vidros de cada visor. Segundo ele, qualquer pessoa poderia ver auras com eles
Sabemos que tudo que está a nossa volta está vibrando, tanto que, se não fosse assim, não enxergaríamos, uma vez que as cores e seus matizes são formados por frequências que formam o chamado "espectro visível", ou seja, cada cor tem sua freqüência vibracional particular. Na escuridão total não podemos ver nada, pois não há luz para ser refletida. Mesmo assim continuamos a emitir luz, só que numa freqüência fora de nosso "espectro visível". Esta luz, que também é uma forma de radiação, é chamada de "infravermelho" e pode ser percebida através de recursos e aparelhos ópticos apropriados.

O que pode ser obtido com uma Eletrofotografia Kirlian, tecnicamente falando, é a foto dos RAIOS (isso mesmo, raios !) que saltam de nossos dedos para o eletrodo por onde passa um filme fotográfico. Só que cada um de nós, seres humanos, atrapalhamos esse "pular dos raios" de acordo como nossos "bloqueios energéticos". Como tudo que está a nossa volta tem sua freqüência peculiar de vibração, conosco não poderia ser diferente, ou seja, essas energias que processamos possuem frequências que entram em "batimento" com a freqüência gerada pelo aparelho (Máquina Kirlian).

Na Foto Kirlian essa freqüência resultante fica gravada no filme, junto com os problemas ou "distúrbios energéticos" que possamos apresentar, através da luz que é fornecida pela eletricidade gerada pela Máquina Kirlian.

Portanto as Eletrofotografias Kirlian são na verdade "Eletrofotos" e jamais devem ser vistas como a "fotografia da Aura".

                                                            Máquina Kirlian
A.J.Ellison, professor de engenharia elétrica e eletrônica por muitos anos na Universidade da Cidade de Londres, fez o que é talvez a crítica mais devastadora da fotografia kirliana como reveladora da aura ou "corpo etéreo". Tendo sido presidente da Sociedade de Pesquisa Psíquica, e havendo se dedicado também durante anos - como membro da Sociedade Teosófica - ao estudo das energias astrais e etéreas, o professor Ellison simpatizava com os conceitos ocultistas, com interesse particular no método Kirlian para fotografar "auras".

Ele chegou à conclusão de que as fotografias kirlianas não tem nada de inexplicável ou paranormal. Trata-se simplesmente dos efeitos da ionização intermitente do ar em torno do objeto fotografado, conhecidos como "figuras de Lichtenburg" (do nome de Jiri Lichtenburg, seu descobridor). Hoje, muitos cientistas aceitam ser essa a explicação do método de Kirlian.

Como ocorre o fenômeno

Para explicar o fenômeno, durante o processo Kirlian, alguns elétrons são primariamente produzidos entre os eletrodos; estes são acelerados pelo campo e ionizam moléculas de ar, levando a um crescimento exponencial no número de elétrons e íons positivos. Os elétrons são atraídos ao (+) ânodo, e os íons positivos movem-se lentamente ao (-) cátodo. Quando os íons no ar atingem uma densidade crítica, eles atraem fortemente os elétrons. Recombinações, então, ocorrem e fótons de luz são produzidos. As multidões de íons positivos tornam-se luminosamente brilhantes e viajam a altas velocidades.Ambos os feixes, positivo e negativo, movem-se entre os elétrodos e bolas de luz movem-se em várias direções.

A cor normal dos feixes é azul brilhante, de vez que a radiação das moléculas excitadas de nitrogênio predomina. Este processo elétrico produz suficiente luz para expor o filme e resultar em fotografia.

Assim, a cor azul obtida nas fotografias Kirlian parece ser devida à ionização das moléculas do ar sobre o plano do filme. Por exemplo, esta ionização pode ser um resultado direto da energização pelo halo elétrico emitido pelas pontas dos dedos.

A modulação de imagem na fotografia Kirlian é grandemente afetada pela umidade da pele: à medida que a umidade da pele se altera, assim também a condutividade elétrica da pele sofre alteração.

A relação entre conteúdo de água e a intensidade do halo elétrico de potencial alto é também bastante aparente em outros tecidos. Portanto, à medida que folhas secam, há uma correspondente mudança no halo elétrico Kirlian.


Foto tirada de uma folha. A cor normal dos feixes é azul brilhante, de vez que a radiação das moléculas excitadas de nitrogênio predomina

Experiência com Folhas
Esta é uma das mais famosas experiências realizadas! Na experiência da folha fantasma, a folha é cortada em até 1/3 de sua parte e fotografada. A imagem resultante freqüentemente mostra um tênue contorno na parte cortada da folha. De fato, alguns cientistas soviéticos usaram esse experimento para sugerir que não apenas estamos vendo a "AURA" do objeto, mas que "AURA" é realmente um quinto estado de energia denominado BIOPLASMA. Este bioplasma é supostamente uma rede completa de energia informacional associada a todos os organismos; e é sempre completa e intacta, mesmo quando parte da estrutura física é cortada.

O efeito da folha fantasma pode assombrar quem o observa, mas já foi explicado em termos de ciência física por vários engenheiros elétricos, com base na hipótese de que os eletrodos utilizados não estavam bem limpos. Muitos dos que fizeram esta observação eram cientistas de renome, mas seria injusto não acrescentar que Harry Oldfield, terapeuta inglês não-ortodoxo, afirma ter obtido o efeito da folha fantasma usando eletrodos perfeitamente limpos.

Famosa experiência, conhecida como da "Fotografia Fantasma" ou "Efeito Fantasma"

Então, qual a utilidade da Foto Kirlian?
Como mostramos, a foto Kirlian não tira fotos da aura, mas sim do campo elétrio. Apesar da atual controvérsia sobre a existência de evidências conclusivas e falta do reconhecimento pela comunidade científica internacional sobre a validade do seu uso na prática médica, a técnica da bioeletrografia é potencialmente útil para outras situações, como a análise da condutividade e disposição de superfície de condutividade.

Atualmente a técnica Bioeletrográfica, além de ser utilizada como auxílio diagnóstico na área médica, para identificar problemas de saúde orgânica e/ou psíquica, através dos bioeletrogramas, também está sendo utilizada em pesquisas nas áreas de agronomia, mineralogia, fitoterápicos, acupuntura, veterinária, homeopatia, psicologia, terapias complementares diversas.

Desde que o assunto surgiu na antiga URSS, muitas pesquisas foram feitas. Em 1999 a técnica foi reconhecida pelo Ministério da Saúde da Federação Russa e em 2000 pela Academia de Ciências da Rússia, sendo recomendado o seu uso nas instituições de saúde daquele país como um instrumento científico auxiliar de diagnóstico, recomendado para uso na Prática Médica.




sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Fantasma: Olhos observando em hospital abandonado

Já teve a sensação que alguém está ti observando? Homem afirma ter capturado os olhos de um fantasma em filme quando explorava um hospital psiquiátrico abandonado
Um explorador urbano (uma espécie de Indiana Jones de prédios abandonados) afirma ter capturado um fantasma, com sua câmera, em um hospital psiquiátrico abandonado. Ele percebeu isso quando notou “um par de olhos” olhando para ele em sua filmagem.

O homem, que não foi identificado, postou um vídeo assustador, que ele fez ao explorar o Hospital Estadual Westborough em Westborough, Massachusetts.

O edifício histórico, que foi apelidado de “Westborough Hospital Insano”, fechou suas portas em 2010. O Hospital que agora esta abandonado foilembrado pela última vez em maio de 2015 quando um serviço memorial foi realizado no Cemitério Pine Grove, para relembrar os 500 pacientes que morreram lá.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Professor diz que OVNI / UFO vem aterrorizando comunidades indígenas no Acre, Brasil

Airton socorreu o índio Iaka Ashanika, que foi atingido por descarga de um suposto ‘disco voador’/Foto: CONTILNET

O professor indígena Airton Silva de Oliveira afirmou à ContilNet que um Objeto Voador Não Identificado (OVNI) está aterrorizando as aldeias Nova Floresta e Cocoaçu, localizadas no Alto Rio Envira, no município de Feijó. “Passei três noites pastorando. Era uma máquina pequena, que ascendia luzes vermelhas, azuis e verdes”, relatou o índio, acrescentando ainda que o OVNI exalava um odor de pneu queimado.

Na semana passada, o professor socorreu o índio Iaka Ashanika, que foi atingido por descarga de um suposto ‘disco voador’, depois de ter disparado 18 tiros de espingarda na direção do objeto. “Ele se deslocava muito rápido, em todas as direções”, declarou Airton. “Ninguém esta conseguindo dormir nas aldeias. Estamos aterrorizados com aquele negocio estranho, que não é um drone”, assegura o professor.

A notícia se espalhou pelo município e já atrai a presença de ufólogos, segundo relatou o radialista Antônio Messias: “Os índios acharam que se tratava de um drone, mas por ter queimado os bicos de todas as lanternas e emitido fortes descargas elétricas, eles ficaram apavorados”, disse Messias, afirmando que o povo Ashaninka do Alto Evira não consome bebida alucinógena conhecida como hoasca.

O professor aposentado da Universidade Federal do Acre (Ufac) Izan Carvalho de Melo também teria visto um OVNI com as mesmas características, desta feita às margens da BR-364, sentido Manoel Urbano-Feijó. Segundo Antônio Messias, o pesquisador tem o hábito de acampar nas matas da região.

Gigantescos pilares de luz são registrados nos EUA

Recentemente, diversas colunas de luzes verticais foram observadas próximas a uma vila em Fairbanks, no Alasca. Eram enormes pilares luminosos que se erguiam do chão até as nuvens. Em algumas ocasiões, pareciam dançar ao ritmo do vento.
Pilar de Luz registrado pela fotógrafa Allisha Libby, em Fort Wainwright, próximo a Fairbanks, no Alasca Central.

Embora não sejam tão comuns, esses pilares de luz podem ser vistos eventualmente por alguns observadores mais sortudos e atentos. Algumas vezes, eles podem ser vistos até mesmo nas cidades distantes, se elevando a grandes distâncias.

O fenômeno é produzido pelos cristais de gelo que se formam na alta atmosfera e que ao caírem têm sua face posterior aplainada pela resistência do ar. Isso faz com que luz do Sol vinda de baixo seja refletida em direção ao solo, formando uma gigantesca coluna de luz que pode medir entre 5 e 10 graus angulares, o equivalente entre 10 e 20 vezes o tamanho visual do disco solar.

Os pilares podem surgir de cima para baixo do Sol ou ao contrário, dependendo de como a luz atinge a face aplainada do cristal. Além disso, a largura do pilar é determinada basicamente pelo ângulo da luz incidente e quanto mais inclinado estiver o cristal, mais largo parecerá o pilar.

Dançando ao vento
Devido às correntes de vento, algumas vezes os cristais são deslocados do local o que faz o pilar se mover sobre o horizonte, criando um verdadeiro espetáculo luminoso que o faz parecer navegar nas ondas do vento.


Pilares Próximos

Quando cristais de gelo flutuam muito próximos a você, pilares, halos e outros efeitos luminosos podem ser vistos em torno de postes de iluminação a poucos metros de distância, criando um efeito ainda mais interessante!


Nas cidades
Apesar dos pilares de luz serem conhecidos por se formarem pela reflexão da luz solar, algumas vezes eles também podem ser criados artificialmente pela presença de intensas fontes luminosas terrestres.
Estádios de futebol ou parques muito iluminados também podem produzir belos pilares artificiais de luz. Assim, você não precisa ir até Fairbanks para ver um fenômeno parecido.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

5 descobertas científicas, as quais indicam que a vida existiu, ou ainda existe em Marte

Hoje, mais do que nunca, as pessoas estão convencidas de que há uma grande probabilidade da existência, pelo menos em forma microbiana, de vida em algum lugar de Marte. Cientificamente falando, têm havido numerosas indicações de que algo estranho está ocorrendo no planeta vermelho, e estas indicações pode ser a evidência final de vida em Marte.

Aqui estão cinco indicações científicas que apoiam a teoria de que houve, ou ainda há vida em Marte:

Nitrogênio biologicamente útil:

Usando o instrumento Sample Analysis at Mars (SAM), abordo do jipe-sonda Curiosity, uma equipe de cientistas detectou pela primeira vez nitrogênio na superfície de Marte, o qual acredita-se ser oriundo da liberação durante o aquecimento de sedimentos marcianos. Pesquisadores detectaram o nitrogênio na forma de óxido nítrico e acredita-se que tenha sido liberado a partir da quebra de nitratos durante o aquecimento em Marte. De forma interessante, os nitratos são uma classe de moléculas que possui nitrogênio, de forma que pode ser usado em organismos vivos. Esta descoberta é de grande significância para a equipe de cientistas da NASA, já que ela adiciona mais evidências à teoria de que Marte antigamente era propícia à vida, tal qual a conhecemos. Sabemos que o Nitrogênio é essencial para todas as formas de vida conhecidas na Terra. Isto porque ele é útil na construção dos blocos de moléculas maiores, como o DAN e RNA, os quais codificam as instruções genéticas para vida.


Metano

Um instrumento científico abordo do jipe-sonda Curiosity da NASA encontrou um dos indicadores mais significantes de que Marte pode conter vida. Na Terra, 90% de todo o metano na atmosfera é produzido por organismos vivos. O Curiosity capturou traços de metano no planeta vermelho, e cientistas acreditam que isto poderia apontar para a presença de vida no planeta vermelho. O Curiosity registrou picos nos níveis de metano, através o uso do instrumento SAM. Estes picos mostram que os valores base são menores do que se pensava (somente 0,7 partes por milhão em volume – ppmv), mas os dados mostram que os valores aumentaram significativamente em seis ocasiões, até mesmo excedendo sete ppmv, o que é dez vezes mais alto. Isto indica que há uma fonte adicional e metano, de origem desconhecida.


Há água líquida fluindo em Marte

Há pouco tempo os pesquisadores acreditavam que era praticamente impossível existir água no estado líquido em Marte. Hoje seus pontos de vista e opiniões mudaram drasticamente, pois a evidência de água no estado líquido foi encontrada. De acordo com cientistas da NASA, há água no estado líquido na superfície do planeta vermelho, e esta descoberta dá fôlego, como nunca antes, à possibilidade de se encontrar formas de vida alienígena em outras partes do cosmos. A descoberta de água no estado líquido em Marte, que ocorreu no ano passado, é somente uma de uma série de anúncios feitos pela NASA nos últimos dois anos, os quais dramaticamente alteraram tudo que pensávamos a respeito de Marte.

A NASA chama isto de ‘evidência espectral’. Linhas em quatro diferentes locais da superfície de Marte, as quais confirmaram as hipóteses dos pesquisadores sobre a existência de água no estado líquido naquele planeta.


Marte teve um enorme oceano, o qual cobria um quinto de sua superfície

Além do fato dos pesquisadores agora terem encontrado água fluindo na superfície marciana, há pouco tempo especialistas descobriram que num passado distante o planeta vermelho não era vermelho como é hoje. De acordo com os estudiosos, um gigantesco oceano primitivo cobria um quinto da superfície do planeta. Marte era morno, úmido e ideal para o desenvolvimento da vida. Este antigo oceano em Marte tinha 1,6 km de profundidade em certos locais do planeta, contendo mais água do que se encontra no Oceano Ártico hoje.

“Finalmente podemos concluir esta ideia de um oceano cobrindo 20% do planeta, o qual abre à ideia da habitabilidade e da evolução da vida naquele planeta”, disse Geronimo Villanueva, o primeiro autor do estudo.


Marte tinha uma atmosfera muito similar à da Terra hoje
Além de encontrarem em Marte água no estado líquido, nitrogênio útil biologicamente, picos de metano e um vasto oceano que uma vez cobriu um quinto daquele planeta, os cientistas aprenderam que num passado distante ele tinha uma atmosfera muito similar à da Terra.

De acordo com cálculos dos cientistas da missão MAVEN, um quarto de libra (11 gramas) do que permaneceu da atmosfera marciana (que é composta de oxigênio e dióxido de carbono) escapa a cada segundo para o espaço. A atmosfera do planeta vermelho, que uma vez foi hospitaleira, foi ‘assoprada’ do planeta.

Mas como isto aconteceu? Bem, a atmosfera escapou porque o campo magnético de Marte desligou. Os cientistas da NASA dizem que embora o planeta vermelho tivesse um campo magnético, por volta de 4,2 bilhões de anos atrás ele desligou. O processo da perda da atmosfera marciana provavelmente ocorreu sobre um período de várias centenas de milhões de anos. Os cientistas especulam que durante este tempo, Marte era atingido por ‘fótons extremos de ultravioleta’ vindos do Sol. Antes disso acontecer, a água provavelmente era abundante e é bem provável que a vida, tal como a conhecemos, poderia ter desenvolvido em Marte.

O Mistério da Latitude 19.


No Sistema Solar,O sol, a Lua, e diversos planetas apresentam regiões marcantes entre as Latitude 19 e 20 sul e /ou Norte.Acredita-se que eles facilitem a Criação de portais dimensionais conhecidos como "Buraco de Minhocas" ou até mesmo são locais de fontes energias inesgotavél 



Hoje vou falar de um assunto um pouco mais espiritualista. Este post é sobre a crença de que determinados locais geográficos facilitam a conexão consciente com o Universo, onde se movem redemoinhos de energia.

Estes locais se situam entre as latitude 19 e 20º sul e norte e os primeiros a descobrir isto foram os Maias, que construíram o famoso Templo de Kukulkan na latitude 19,5º norte (teria ela uma relação com o misterioso desaparecimento deste povo em 830 e.C.?).

Mas não é só aqui na Terra que temos portais dimensionais. No Sol, Lua e nos planetas do Sistema Solar, entre as latitude 19 e 20º sul e norte, apresentam-se no plano físico fenômenos que expressam a passagem de energia.
Richard Hoagland, ex-consultor cientifico da NBC e CBS, da NASA e do Controle de Voo Espacial Goddard, entra outras funções, interessou-se bastante por este tema e desenvolveu uma teoria, que diz em diversos laboratórios estariam sendo executadas pesquisas, sempre mantidas como segredo militar, sobre forças desconhecidas ligadas aos corpos esféricos giratórios. Dentre os pesquisadores envolvidos nestes projetos está o físico Bruce De Palma, do Massachussets Institute ofTechnology (MIT). De Palma e outros cientistas sustentam que entre os corpos giratórios aconteça uma troca de energia e que a rotação abra uma espécie de "porta" para uma outra dimensão, de onde proviria uma força de natureza elétrica coerente. Essa troca de energia entre as duas dimensões estaria sempre à latitude de 19,5°.


Richard Hoagland estudou os paralelos
entre latitude 19 e 20º e tem uma teoria sobre elas.


Esta energia emanada nesta latitude poderia conduzir à realização de sistemas antigravidade, viagens cósmicas através de portais dimensionais e, finalmente, ser utilizada como uma fonte de energia inesgotável.

Em síntese, seria aquela fabulosa tecnologia em poder dos seres que nos visitam com suas máquinas voadoras que chamamos de UFOs.

Além desta teoria, Richard Hoagland tem várias outras interessantes, que podem ser vista em seu website oficial.

Veja abaixo o que se encontram entre as latitude 19-20 norte e sul do nosso Sol, Lua e de outros planetas do Sistema Solar
Sol: A maior quantidade de manchas e explosões na coroa manifesta-se aos 20º de latitude sul e norte.
Repare na latitude 20 como tem mais manchas solares



Vênus: Os vulcões ativos Alpha e Regio, aos 19,5º de Latitude.

Terra: O nosso vulcão mais ativo, o Mawnakea no Havaí, fica aos 19,5º de latitude norte.




Lua
19,5º Sul em sua face oculta para uma extrusão de lava chamada Mar de Tsiolkovski.
19,5º Norte em sua face oculta está o Mare Moscoviense.

Marte: O vulcão Olympus, o maior do sistema solar, está a 19,3º de latitude norte.



                               Júpiter: A grande mancha de Júpiter está aos 19,5º de latitude sul.


Saturno: As naves Voyager fez algumas fotos das luas em movimento, e suas flutuações mais fortes encontram-se ao 19º norte e sul de latitude.

Netuno: Descobriu-se um ponto escuro aos 19,5º de sul.


Alguns Problemas


Esta teoria é interessante, mas muitas das características apresentadas como sendo entre 19 e 20 graus, na verdade estão acima ou abaixo.

Vou citar como exemplo o caso do vulcão Monte Olimpo em Marte. O complexo de caldeira do Monte Olimpo (há pelo menos 6 caldeiras distintas na cúpula) variam entre as latitudes de 17,8° e 18,8° N. Além disso, ele é tão vasto, com um diâmetro de cerca de 650 km, que as escarpas ao norte começam em torno de 23,5 ° N, enquanto a margem sul é em torno de 13,5 ° N de latitude. Então, ele está ao longo de mais de 10°. Existem outros 23 outros vulcões principais em Marte e o Alba Patera, que na verdade é o vulcão mais volumosa no Sistema Solar (como Mauna Loa é o vulcão mais volumoso da Terra), tem uma caldeira em 40,3 ° N.

As manchas solares também variam muito de lugar, como você pode ver no site da Solar Dynamics Observatory

Mas isto é suficiente para acabar com a teoria? Para mim não

Fonte:Assombrado.com

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Alienígenas podem pensar que a Terra não seja habitável

                                         Zonas habitáveis ao redor de cada tipo de estrela.
O queles que não acreditam que os alienígenas já estão vivendo na Terra, muitas vezes perguntam: “Por que eles ainda não vieram até aqui?” Um resposta para esta questão é a de que eles já estão mortos. Outra possibilidade é a de que eles não acham que a Terra seja habitável. Por volta de 7,4 bilhões de terráqueos perguntariam: “Por que eles pensam isso, e deveríamos estar preocupados?”

O astrônomo Rory Barnes propõe esta teoria em seu estudo que será liberado no The Astrophysical Journal. Professor de astronomia do Laboratório Planetário Virtual da Universidade de Washington, Barnes desenvolveu um índice de habitabilidade para a análise da possibilidade de vida em outros planetas. Enquanto fórmulas anteriores olhavam se a órbita de um planeta ao redor de uma estrela estaria dentro da zona habitável, onde teria pressão atmosférica adequada para a água permanecer no estado líquido, Barnes vai mais além.

O novo índice também leva em consideração como é a superfície rochosa de um planeta, bem como sua degeneração de excentricidade-albedo – uma taxa de energia refletida da superfície contra a circularidade de sua órbita, e o quanto da energia da estrela ele recebe. Em termos simplificados, um planeta habitável precisa um bom balanço de luz e energia quando está mais próximo de sua estrela, e também quando está no ponto mais longínquo – um equilíbrio que é melhor obtido por uma órbita mais circular.



Barnes alimentou os dados sobre a Terra na fórmula e obteve notícias desencorajadoras: Nosso planeta obteve somente a nota de 82 por cento de índice de habitabilidade. Ele explicou o problema:


“Basicamente, onde perdemos alguma da rentabilidade, ou chance para a vida, é que podemos estar próximos demais do Sol. Na verdade, estamos meio que perto da beirada interna da zona habitável. Se avistássemos a Terra com as nossas técnicas atuais, concluiríamos de forma razoável que ela poderia ser muito quente para a vida.”

Assim, os alienígenas que usam aparelhos de visualização similares em potência aos nossos telescópios atuais poderiam concluir que a terceira rocha a partir do Sol está muito próxima de sua estrela e é muito quente para ser habitável. Aqui está o que Barnes suspeita que os alienígenas poderiam estar pensando sobre a Terra:

“…[a Terra] é somente esta coisa que diminui o brilho da luz ao redor de uma estrela próxima, quando passa.“

Parapsicologia e seus Fenômenos Extra-Normais: Fotogênese

Imagine você ver uma pessoa emanando luz do seu corpo! Estranho não? Mas isto existe é um fenômeno conhecido e estudado da parapsicologia. Conheça a Fotogênese.

A fotogênese é um fenômeno de exteriorização de telergia (Recomendamos antes de ler sobre a fotogênese, a leitura do post sobre Telergia.) e transformação em luminosidade.

Assim como a telergia, é um fenômeno de polipsiquismo, onde os assistentes podem ajudar o médium, dando suas mãos para o mesmo ter mais fluído para realizar os fenômenos.

Médium Senhora Guppy, fotografada por um espirita junto a amigas.Veja a extensão de luz no centro da foto. Repare no efeito polipsíquico (assistentes de mãos dadas ao médium)

Como esta luminosidade poderia ser produzida?

                               O vagalume é capaz de produzir emissões de luz fosforescente 

Existem muitos animais fosforescentes, como o vaga-lume, pirilampo, etc. Os mares tropicais apresentam muitas vezes notável brilho fosforescente, pela presença de milhões de infusórios luminosos. São conhecidos peixes luminosos nas profundezas dos mares. Igualmente a plantas, em regiões tropicais, que produzem luminosidade.

Alguns investigadores tentam explicar o fenômeno através do fósforo ou enxofre presentes no organismo humano. De fato alguns casos são explicados, mas nem todos.

Muitos quiseram explicar pela presença de eletricidade ou magnetismo corporal. O cheiro de ozônio durante a manifestação destes fenômenos confirmaria a teoria da natureza elétrica. Novamente alguns casos são explicados, mas nem todos.

Podemos ver a fotogênese?

Óculos do Dr. Kilmer. Sua criação consistia em dois visores duplos lacrados, com um corante azul entre os dois vidros de cada visor.

Segundo ele, qualquer pessoa poderia ver auras com eles

Algumas pessoas "normais" e os sensitivos, são capazes de ver os fenômenos fotogenésicos de outras, especialmente se estas pessoas são também dotadas.

Aparelhos para ver a fotogênese? Sim é o que garante o Dr. Kilmer, membro do conselho de médicos de Londres, que afirma ter conseguido ver, na escuridão completa, usando vidros especiais, eflúvios luminosos humanos. Os eflúvios formariam, ao redor do corpo, um ligeiro nevoeiro luminoso de forma oval, que o Dr. Kilmer chamou "atmosfera humana"

O texto acima lhe lembrou alguma coisa? Sim, aura, um dos vários nomes pela qual a fotogênese é conhecida. Se você gosta do assunto, leia o livro: "A Profecia Celestina"de James Redfield, que aborda de maneira bem "camuflada" vários fenômenos da parapsicologia.

Temos também a máquina Kirlian, com suas impressionantes fotografias de campo elétrico.

A fraude na fotogênese pode ser conseguida através de vários métodos.

                                                         Luz emitida por Ferrocério

Junto com a psicofonia, a fotogênese é um dos fenômenos mais fáceis de se fraudar. Temos sempre que falarmos em primeiro lugar no fator fraude.

Ferrocério: Um destes métodos consiste na utilização de ferrocério, que ao ser esfregado produz faíscas. O ferrocério é detectado somente através de exames microscópicos ou através de flagrantes no médium, como o que ocorreu com Ana Burton, que apresentava a saliva fosforescente após um seção.

Cápsulas de borracha cheias de hidrogênio fosforado: Outra técnica consiste no emprego destas cápsulas, que são facilmente inflamáveis. Quando são esfregadas entre os dedos produzem uma espécie de fogos-fátuos, coroas luminosas, faíscas carregadas de "mistério".

Fósforo, óleo fosforado, sulfato de cálcio, ou de estrôncio ou de bário: Após temporária exposição ao sol, emitem luminosidade na escuridão

Além da fraude, temos os fogos "misteriosos" na natureza
                                                   Fogo de São Telmo nos mastros de um barco

"Fogos-fátuos": aparecem as vezes nos pântanos, nos cemitérios, nos depósitos de lixo e em quaisquer outros lugares onde há matérias animais ou vegetais em putrefação. O mais interessante e amedrontador para quem presencia este fogos, é que são atraídos pelas pessoas que passam perto, dando a impressão que o "fantasma" esta seguindo a pessoa!

"Fogos de Santemo": em dias de tempestade podem ser vistos sobre os mastros dos navios, sobre as torres das igrejas, inclusive sobre a copa das árvores, ao redor de para-raios ou das ventoinhas.
Eletricidade Estática, que é a acumulação de eletricidade no ambiente. Quem nunca foi pentear o cabelo e sentiu um barulho característico de faísca, além de ter seu cabelo atraído pelo pente? Imagine este efeito numa sala escura? Com certeza fotogênese para ignorantes...

Alguns Casos convincentes:
                                                                  Daniel Douglas Home

É claro que existe fotogênese que não se enquadra em nenhum dos casos acima. Veja um dos casos mais convincentes de fotogênese, provocado por um dos maiores dotados, D.D.Home:

D.D.Home fazia aparecer luzes em toda classe de formas. Umas vezes uma pequena bola luminosa flutuava no ar, outras vezes, apareciam pequenas luzinhas, como chuva de estrelas ou diminutos fogos de artifício. Numa ocasião, viram-se umas como línguas de fogo repousando ou saindo da cabeça de Home.

Inclusive alguma ou outra vez foi observada uma luz bem mais intensa, pois era visível na sala bem iluminada. Escreve, a propósito William Crookes: "Em plena luz, vi uma nuvem luminosa pairar sobre um helicóptero, colocado em cima de uma mesa, ao nosso lado ... e, em algumas ocasiões, percebi uma nuvem semelhante condensar-se sob nossos olhos."

Algumas vezes, luzes errantes, fosforescentes, tocaram os corpos dos assistentes, oferecendo a sensação de contato com um corpo sólido

Existem casos espontâneos de fotogênese verdadeiramente notáveis. Algumas pessoas especiais cobrem-se de clarões elétricos, ou produzem faíscas. Trata-se de pessoas especiais num estado neurofisiológico especial.
O Papa Bento XIV só não duvida em classificar como de origem sobrenatural luminescências imensamente superiores às fotogêneses naturais. Tais luminescências sobrenaturais são apresentadas unicamente por santos católicos, como Carlos Borromeu ( 1538-1584), Filipe Neri (1515-1595), Inácio de Loyola (1491-1556), Francisco de Sales (1567-1622).

O caso mais obrigatório de se lembrar seria das "línguas de fogo" aparecidas sobre a cabeça dos apóstolos no dia de Pentecostes. (superior à qualquer fotogênese natural).

No processo de beatificação de Bernardino Realino, por exemplo, se analisou sua fotogênese extraordinária: Uma das testemunhas, o senhor Tobias, descreveu como em 1608, foi consultar o jesuíta padre Bernardino, hoje canonizado. "A porta se achava entreaberta podendo ele observar uma luz extraordinária que aparecia pela pequena abertura e através das gretas. Perguntando-se a razão de tal claridade, empurrou a porta: foi então que viu o padre ajoelhado, em êxtase, e elevado ao ar, dois pés e meio do chão. Muitas outras pessoas foram testemunhas da extraordinária luz que às vezes desprendia transformando o semblante do padre Bernardino. Declaravam que tinham visto sair faíscas de todo o corpo (o que pode ser fotogênese natural), mas muitas outras testemunhas afirmavam: em uma ou duas oportunidades, o brilho era tal que não se conseguia distinguir suas feições e tinham que desviar as vistas. Isto já supera qualquer fotogênese observada em todos os tempos e ambientes; é exclusivo do ambiente religioso divino.


Parapsicologia: Telergia

Fluido emanado por todos, mas que somente alguns "médiuns" conseguem utilizá-lo, seja para produzir sons, mover objetos com a força da mente, fazer objetos pegar fogo, curar pessoas e diversos outros fenômenos...

(tele=longe; ergon=ação, trabalho. Nome proposto por Myers)
Antes de definirmos Telergia, precisamos saber o que significa Magnetismo Animal. O Dr. Franz Anton Mesmer, o invertor da teoria do Magnetismo Animal, chamado de mesmerismo em sua homenagem descreve-o assim:

"Assim como existe atração recíproca entre todos os astros, há igualmente de cada parte da Terra para o todo, e ao contrário, como também de todas as partes entre si. Esta ação recíproca exerce-se por meio de correntes que saem e entram nos corpos, sendo tanto mais intensa a influência quanto maior for a analogia entre os corpos. Portanto, nada age mais eficazmente sobre o homem do que o mesmo homem”.

Meio complicado o texto acima, então vamos simplificar:

O agente desta influência seria um fluído universalmente difundido, semelhante com o Magnetismo Físico e muitas vezes unido a ele. Este fluído que se chama Telergia na parapsicologia, um fenômeno parapsicológico, é emanado por todos nós, mas somente os dotados (pessoas que manifestam poderes parapsicológicos) conseguem utilizá-lo, exteriorizá-lo de seu corpo, para:

- cura de doenças (fins terapêuticos – onde mais se aplica o fenômeno)
- produção de luzes (fotogênese)
- sons (tiptologia)
- movimentos de objetos a distância (telecinesia)
- produzir fogo (Pirogênese)
- e mais uma serie de outros fenômenos que são chamados de Fenômenos de Telergia.
As irmãs Fox estabeleceram na sua casa de Hydesville o primeiro contato codificado com um "espírito", que respondia a suas perguntas por meio de uma série de golpes. Vemos neste texto o fenômeno Telergico Tiptologia

Um dado interessante é que os dotados sofrem um “esvaziamento” quando estão curando algum paciente, pela imposição das mãos - por exemplo. O dotado transfere o seu fluído para o corpo do paciente doente, que o recebe. Em seguida o dotado sofre um grande desgaste físico, chegando a ficar sem energia para falar ou mover-se. Outro dado é que a Telergia é um efeito polipsiquico, onde os assistentes podem "ajudar" o médium na realização do fenômeno, formando uma correntes e transmitindo fluídos para que ocorra os fenômenos.
Os médiuns necessitam, certas vezes, a energia psíquica, emanada dos assistentes às seções espíritas, a fim de poder estabelecer contato com as entidades desconhecidas que nelas se manifestam. O método mais comumente utilizado consiste na criação de uma "corrente espiritual", que se logra unindo as mãos em um círculo sobre a mesa e numa atmosfera de recolhimento religioso. Isto é Polipsiquismo.

O organismo humano produz correntes elétricas, fato provado através do encefalograma (inventado pelo Dr. Hans Berger em suas experiências), e se nosso corpo é capaz de produzir corrente elétrica, nosso corpo terá um campo magnético (0.0002 gauss). Muito pouco mesmo, mas em alguns dotados, o valor muda. Veja o caso de pessoas que os relógios nunca trabalham com regularidade. Há pessoas com um magnetismo tão forte que são capazes de reter objetos metálicos contra o corpo. Vejamos exemplo:

“Um indivíduo, estudado pelo Dr. Ginelin, não manifestava magnetismo apreciável em estado normal, mas quando sentia dores de cabeça, era capaz até de reter na fronte uma moeda contra a lei da gravidade, em qualquer posição e apesar de quaisquer movimentos.”

“O Dr. Klein fala de uma senhora que, em estado sonambúlico, na hipnose, retinha, aderido à fronte, o relógio de bolso do experimentador, apesar de movimentos, mesmo violentos”

Além destes temos exemplos de pessoas que atraem agulhas, pregos, limalhas de ferro ou qualquer outro objeto menos pesado que uma moeda ou um relógio. Lembramos que este magnetismo (telergia) também pode ser verificado através de luminosidade (fotogênese).
Esta foto mostra um cidadão soviético que tinha o corpo supostamente magnético. A força dessa qualidade era tal que podia atrair grandes objetos de ferro para sua pele, onde dizia-se, ficavam tão presos que se exigia considerável esforço físico para desgrudá-los. Grande número de hipóteses foi elaborado para explicar como o fenômeno seria fraudulentamente produzido – muitas delas ainda mais improváveis que a idéia de que o homem fosse genuinamente magnético. Foi dito, por exemplo, que ele tinha colocado imãs muito fortes na garganta, no estômago e no intestino

Existem muitos aparelhos construídos para detectar a telergia e até fotografá-la em ação, embora a telergia seja geralmente invisível, Provaram que a telergia existe. Não vou entrar em detalhes neste assunto.

A telergia recebeu muitos nomes ao longo da história: Zoroastro chamou de “fogo vivente”, Heráclito de “fogo gerador” e os antigos ocultistas de “espírito da vida”, Santo Tomás de “força vital”, Maxwell de “raios corpóreos dirigidos pela alma”, Oldfield de “médium espiritual”, Dr. Collier de “superatividade do sistema nervoso”, Dr. Hammond de “efeito de perturbação nervosa” e muitos outros nomes.
Malásia, 25 de outubro de 2001 - Liew Thow Lin, 70 anos, é conhecido como "senhor magneto" em seu país. Ele consegue atrair objetos metálicos e mantê-los grudados ao corpo.

A várias teorias que tentam explicar a telergia, como a bioeletricidade, teoria metabiótica e a teoria atomística do prof. Mackenzie, que diz que do mesmo modo que dos corpos radioativos partem raios alfa, beta e gama, também do corpo humano do dotado e dos circunstantes emergiriam, em determinadas circunstâncias, matéria (taios alfa e beta) e energia (raios gama) dirigidas pelo psiquismo inconsciente.

Então, se você quiser ter poderes sobrenaturais, como mover objetos, a primeira coisa é entender o conceito de Telergia e depois começar a direcioná-la.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Centenas de galáxias escondidas foram encontradas atrás da Via Láctea

Um local que era completamente inexplorado foi visto pela primeira vez em detalhes!
A nossa Galáxia faz o céu ficar muito mais bonito, mas também pode atrapalhar um pouco a nossa visão do cosmos.

Os astrônomos conseguiram dar uma espiada por trás da confusão de estrelas e poeira da Via Láctea, e encontraram um jardim repleto de flores, ou melhor, uma região cheia de galáxias; um local que anteriormente era completamente inexplorado.

Mas nós não estamos falando de apenas uma ou duas galáxias. Pesquisadores aplicaram uma nova técnica de pesquisa usando o radiotelescópio Parkes com sede na Austrália, para encontrar centenas de galáxias desconhecidas.
"A Via Láctea é muito bonita, claro, e é muito interessante estudar a nossa própria Galáxia, mas sabemos que ela bloqueia completamente a visão das galáxias mais distantes por trás dela", disse Lister Staveley-Smith, da Universidade da Austrália Ocidental e do Centro Internacional de Pesquisas Radio Astronômicas (ICRAR).

Um total de 883 galáxias foram identificadas dentro de 250 milhões de anos-luz da Terra, um terço das quais nunca foram vistas antes. Elas estão todos localizados na "Zona de Evasão", uma região do espaço normalmente inacessíveis aos telescópios, atrás do bojo central da Via Láctea.

No vídeo abaixo, podemos ver a localização dessas galáxias. Embora a luz visível esteja bloqueada pelo bojo da nossa galáxia, as ondas de rádio conseguem penetrar, permitindo o estudo e a observação dessa região escondida:

A equipe de Staveley-Smith está investigando a misteriosa "Grande Atração", uma região do espaço que parece estar puxando galáxias locais (incluindo a Via Láctea), com uma força gravitacional imensa, equivalente a um milhão de bilhões de sóis. Há poucas explicações satisfatórias para o fenômeno, mas observar "a parte de trás da Via Láctea" poderia adicionar uma peça fundamental nesse quebra-cabeças cósmico.

"Nós realmente não entendemos o que está causando essa aceleração gravitacional sobre a Via Láctea, ou de onde ela está vindo", disse Staveley-Smith em um comunicado de imprensa. "Sabemos que nesta região existem algumas grandes coleções de galáxias que chamamos de aglomerados ou superaglomerados, e a Via Láctea está se movendo em direção aos aglomerados a uma velocidade de mais de dois milhões de quilômetros por hora."

Sua equipe mapeou três grupos densos de galáxias (nomeados NW1, NW2 e NW3) e dois novos aglomerados de galáxias (CW1 e CW2), que podem estar contribuindo para o fluxo em grande escala das galáxias nessa direção.

"Nós usamos uma variedade de técnicas, mas apenas observações de rádio conseguiram nos permitir ver através da camada mais grossa de poeira e de estrelas", disse o colaborador Renée Kraan-Korteweg da Universidade de Cape Town. "Uma galáxia média contém 100 bilhões de estrelas, portanto, encontrar centenas de novas galáxias escondidas atrás da Via Láctea é descobrir uma grande quantidade de massa que não conhecíamos até agora."

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Asteroide de 80 mil toneladas pode raspar a Terra no começo do mês

De acordo com modelos orbitais a rocha pode cruzar a alta atmosfera da Terra abaixo da linha dos satélites geoestacionários. A distância de aproximação máxima é tão pequena que o asteroide pode até ser visto a olho nu em locais de céu limpo.

 
Orbita do asteroide 2013 TX68: Com muitas incertezas, modelos mostram que a menor aproximação pode ser de 22 mil km. A melhor solução aponta para 493350 km.

Batizada de 2013 TX68, a rocha atingirá o ponto de menor aproximação da Terra no dia 5 de março, às 16h15 BRST.

Há muitas incertezas sobre a orbita do asteroide, o que torna difícil o cálculo da distância exata da aproximação. De acordo com o JPL, Laboratório de Propulsão a Jato, da Nasa, a janela de aproximação varia entre longínquos 14 milhões de km e perigosos 22 mil km, sendo que a melhor estimativa mostra que o asteroide passará a 493350 km de distância.

A olho nu
2013 TX68 tem cerca 40 metros de comprimento e pesa 80 mil toneladas. Se passar pela Terra no limite inferior da previsão, a 22 mil km, poderá ser visto sem auxílio de binóculos em locais de céu escuro, lembrando que o momento da aproximação máxima será no período da tarde aqui no Brasil.

Risco de Impacto
A velocidade de deslocamento de 2013 TX68 é de 52 mil km/h. Se atingisse a Terra, liberaria a mesma energia que 2 mil toneladas de TNT, suficientes para fazer um bom estrago sobre uma cidade. No entanto, a distância mínima calculada mostra que os riscos de impacto são muito pequenos.

A Bélgica e a questão dos OVNIs / UFOs

Oficialmente, o governo dos Estados Unidos ficou fora da questão dos OVNIs em 1969, quando o Projeto Livro Azul da Força Aérea fechou suas portas. É claro, isso não significa que as agências não tiveram mais interesse após 1969. Elas certamente têm. Um exemplo perfeito é o assim chamado fenômeno do “Triângulo Voador”. Ele começou a ocorrer em meados da década de 1980 e alcançou seu pico na década seguinte.

Todavia, um estudo cuidadoso da história da ovniologia demonstra que enormes OVNIs triangulares na verdade já haviam sido reportados desde a década de 1940 – contudo, não na escala que foram reportados nos anos 80 e 90.

Um dos documentos mais interessantes que demonstra o interesse pelo quebra-cabeças dos OVNIs após 1969 foca nesses estranhos Triângulos Voadores – especificamente sobre a Bélgica entre 1989 e 1990. Ele origina no Departamento da Defesa dos EUA e é intitulado “Belgium and the UFO Issue” ou, em português “Bélgica e a Questão dos OVNIs”.

Circulado amplamente entre as comunidades de Inteligência dos EUA, ele revela o seguinte: “Numerosos avistamentos de OVNIs têm ocorrido na Bélgica desde novembro de 89. A credibilidade de alguns indivíduos que relatam os eventos é boa… Investigação pela Força Aérea Belga continua“

.Então, o documento se aprofunda no assunto dos relatos das testemunhas. Nos disseram que:


“Fonte A cita o Sr. Leon Brenig, 43 anos, um professor de estatística e física da Universidade Free de Bruxelas… O Sr. Brenig estava dirigindo seu carro na auto-rota Ardennes, na região de Beaufays, ao leste de Liege, domingo, dia 18 de março de 1990, às 20h30, quando observou o objeto no ar se aproximando em sua direção, vindo do norte. Ele tinha o formato triangular… e tinha uma luz amarela ao seu redor, com um centro avermelhado, variando de intensidade. Parecia estar entre 500 e 1000 metros de altitude, se movendo lentamente, sem emitir som. Ele não se movia nem se comportava como uma aeronave.”

…discute uma entrevista na TV belga com o Coronel Wil De Brouwer, Chefe de Operações da Força Aérea Belga… De Brouwer notou um grande número de relatos de avistamentos, particularmente em novembro de 89, na região de Liege, e que a Força Aérea Belga e o Ministério da Defesa estão levando o caso muito a sério. Peritos da Força Aérea também não têm sido capazes de explicar o fenômeno.”

A seguir, temos o seguinte:

De Brouwer especificamente endereçou a possibilidade dos objetos serem aeronaves B-2 ou F-117 da Força Aérea dos EUA, as quais não apareceriam nos radares belgas, mas poderiam ser detectados visualmente se estivessem operando em baixa altitude na área de Ardennes. Ele deixou bem claro que nenhum pedido de sobrevoo da Força Aérea dos EUA foi recebido para este tipo de missão, e que as alegadas observações não correspondiam de forma alguma às características observáveis de nenhuma dessas aeronaves.”Então nos foi fornecida a história de uma fonte muito credível:

“[Apagado] relacionou um avistamento de OVNI similar, que aparentemente aconteceu com um oficial da Força Aérea Belga, na mesma área próxima de Liege, em novembro de 89. O oficial e sua esposa foram alegadamente cegados pelo enorme objeto luminoso, ao dirigirem seu carro na auto-rota. Eles pararam seu carro, mas estavam tão amedrontados que abandonaram o veículo e correram para a floresta… A Força Aérea está preocupada sobre a questão OVNI e está efetuando ações para investigar as informações que possuem… A Força Aérea dos EUA confirmou à Força Aérea Belga e ao Ministério da Defesa que nenhuma aeronave stealth estava operando na região de Ardennes durante os períodos em questão.”

                                                                  Nick Pope
O documento termina neste ponto. Porém, não termina o interesse pelos Triângulos Voadores da Bélgica. Após uma onda similar de triângulos voadores no Reino Unido, em março de 1993, Nick Pope – que entre 1991 e 1994 recebia relatos de OVNIs para o Ministério da Defesa Britânica – abordou os militares belgas para saber seus pontos de vista sobre o fenômeno dos Triângulos Voadores. Em janeiro de 1997, Nick Pope disse:


“Abordei os belgas para obter uma comparação após seus avistamento. Telefonei para o Adido da Aeronáutica da Embaixada Britânica em Bruxelas e ele falou com um dos pilotos da aeronave F-16, que tinha sido despachado para interceptar um Triângulo Voador sobre a Bélgica em 1990. Bem, o Adido da Aeronáutica reportou a mim que a visão corporativa da Equipe de Defesa Belga era a de que eles não acreditavam estar lidando com uma nave de estrutura sólida. Aparentemente, os belgas disseram:‘Graças a Deus era amigável’. Se não fosse, foi deixado claro para mim que havia muito pouco que a Força Aérea Belga poderia ter feito, de qualquer forma – apesar do F-16 não ser nenhuma ‘lesma’.”Nick Pope também abordou o Departamento de Defesa dos EUA para discutir o fenômeno. Pope delineou a natureza da discussão:


“Decidimos que não iríamos ignorar os vários rumores que estavam circulando sobre supostas aeronaves Ultra Secretas desenvolvidas pelo governo dos EUA, chamadas de Aurora – ou, na verdade, qualquer aeronave hipersônica ou protótipo operado pelos estadunidenses. Haviam rumores persistentes no mundo da aviação e entre os lobistas OVNI de que o SR71 Blackbird tinha sido substituído por uma aeronave de codinome Aurora, e que isto seria realmente o Triângulo Voador.
Pope continuou:

“Eu estava muito ciente de que havia algumas histórias interessantes sobre os avistamentos visuais e de radar ao redor de certas bases aéreas; porém, não confiei muito nestes rumores – especialmente porque haviam várias negações definitivas pelos estadunidenses. Eu sei que há muito cinismo sobre o governo e os militares. E embora a oficialidade possa recusar responder à questão e possa algumas vezes dar respostas para despistar, mentiras descaradas são muito raras. E quando isso ocorre, se forem descobertas, quase sempre leva à demissão. Mas com os avistamentos de março de 1993 – e apesar das negações dos estadunidenses de que eles eram responsáveis pelos Triângulos Voadores – os contatamos para algumas perguntas. Isto ocorreu porque eles têm a responsabilidade pertencente à presença dos EUA na Grã-Bretanha. Essas perguntas não foram frutíferas. Os estadunidenses disseram:‘Não, não podemos responder a nenhum dos avistamentos de OVNIs que levaram até às suas perguntas’.”
Pope disse que o encontro com os estadunidenses não se passou sem um momento de intriga:


“Se qualquer coisa, houve uma pista um pouco interessante de que os estadunidenses, também, estavam vendo Triângulos Voadores sobre seu território. Enquanto estávamos fazendo nossas perguntas, eles viraram o questionamento e queriam saber se a nossa Força Aérea Real tinha algum tipo de aeronave protótipo hipersônica no formato triangular. Assim, presumivelmente, os estadunidenses estavam também avistando Triângulos Voadores.”
As palavras finais de Pope sobre o assunto são dignas de serem mantidas em nossas memórias:

“Mas isto era interessante, à luz do fato de que os estadunidenses supostamente pararam com suas investigações de OVNIs em 1969, quando o Projeto Livro Azul fechou. É claro, você pode não estar oficialmente no jogo dos OVNIs, mas certamente está ciente e se interessa sobre os relatos de naves estruturadas em seu espaço aéreo.”

OVNIs: O fascinante caso do submarino USS Trepang

Em abril de 2015 um conjunto secreto de fotografias surgiu pela primeira vez publicadas em uma revista paranormal francesa chamada “Top Secret”.

                                               Revista Francesa paranormal “Top Secret”



As imagens mostram dois objetos não identificados sendo observados por um submarino da Marinha dos EUA.
As fotos, que haviam sido mantidas secretas para o público por vários anos, segundo informações teriam sido tiradas em 1971, por marinheiros a bordo do submarino USS Trepang durante uma missão, perto da Islândia.
                   Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang


As fotografias bem granuladas mostram uma imagem de um objeto preto triangular não identificado, voando sobre a água do mar. Há também uma série de fotos mais claras mostrando um grande objeto em forma de charuto que aparenta estar caindo no mar.

                         Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang

                          Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang

                         Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang


As imagens surpreendentes, foram supostamente enviadas para uma revista francesa “Top Secret” especializada em assuntos paranormais por uma fonte anônima. Pesquisadores especialistas em objetos voadores não identificados (OVNIs) acreditam que as imagens, em preto e branco, que supostamente foram tiradas pelo submarino USS Trepang SSN 674 em março de 1971, são a prova de testes de aeronaves norte-americanas secretas, ou de formas de vida alienígenas na Terra.

                        Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang

O explorador Benjamin F. Trueblood relatou que quando ele, esteve em uma expedição polar em 1908, os esquimós que conheceu estavam ansiosos para falar sobre o avistamento de um dirigível inexplicável. Eles descreveram o dirigivel em forma comparativa, como na forma de um charuto, voando sobre a Groenlândia.

Benjamin acreditava que o dirigível que os esquimós falavam se tratava de um que havia sido usado por Walter Wellman em sua missão de voar para o Polo Norte, embora isso não teria sido possível porque ele só lançou expedições em dirigível em 1907 e em 1909.

                        Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang
                        Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang

Alex Mistretta, um autor e investigador paranormal, investigou as imagens (supostamente vazadas), depois que elas apareceram pela primeira vez na revista paranormal “Top Secret”.

Alex alegou que uma pessoa com informações privilegiadas, disse a ele que as fotos foram tiradas através de um periscópio a partir de um submarino americano, em sua viagem entre a Islândia e a ilha de Jan Mayen da Noruega no Oceano Atlântico, e que o almirante no controle a bordo no momento se chamaria Dean Reynolds.

                            Ufo: Imagem supostamente fotografada pelo submarino USS Trepang



De acordo com um arquivo de US Naval, o submarino USS Trepang estava na área no momento e que uma contra-almirante chamado Dean Reynolds Sackett, era o seu oficial comandante, entre agosto de 1970 a dezembro 1973

                                                   Almirante Dean Reynolds Sackett

Procurado por pesquisadores, Sackett confirma que esteve neste período no Ártico, mas alega que não viu nada estranho por lá.

Surgiu também a suspeita de que as fotos poderiam não ter sido feitas pelo USS Trepang e que os objetos nas imagens poderiam ser balões de testes de artilharia (submarinos costumavam usar balões como alvo), mas estes tipos de testes eram usados entre 1900 e 1907 não havendo indícios que os mesmos ainda eram usados 70 anos depois.

Outra duvida é, mesmo que sejam balões então o que seria o objeto triangular que aparece em todas as fotos acompanhando de perto o estranho objeto?

O fato é que esse mistério, pode como tantos outros, nunca ter uma solução satisfatória. O caso ainda hoje permanece em aberto e em estudo, aguardando talvez quem sabe, por mais informações.